Alexandre Martins, do PSL, no esquema de fake news do WhatsApp

Publicidade
Alexandre José Martins, sócio do grupo AM4 – que controla a AM4 Informática Ltda era candidato a deputado federal pelo PSL-RJ até o dia 10 de outubro quando teve sua candidatura impugnada por não ter apresentado todos os documentos necessários. Curiosamente sequer recorreu da impugnação.

A AM4 é uma das empresas denunciadas na reportagem da Folha de S.Paulo como parte de um grupo que recebeu pagamentos ilegais de empresários para disseminar fake news contra o PT em grupos de WhatsApp e redes sociais.

Na prestação de contas oficial da campanha de Bolsonaro no site do Tribunal Superior Eleitoral, a agência também aparece como responsável pelo site da campanha, tendo recebido R$ 115 mil pelo trabalho.

Alexandre Martins é um dos três sócios da empresa – os outros são os irmãos Marcos Aurélio Carvalho e Magno Carvalho – fundada em agosto de 2000 em Barra Mansa, no Rio de Janeiro.

Atualmente, a agência teria 7 unidades “espalhadas pelos principais polos criativos do país e 150 colaboradores”, segundo informações do Linkedin da empresa.

Alexandre não é apenas fornecedor da campanha de Bolsonaro, mas muito próximo ao senador eleito Flávio Bolsonaro, filho do capitão da reserva.

Entre outras coisas, promoveu uma palestra do então deputado em Barra Mansa, na sede do Projeto Vida, uma comunidade evangélica da cidade, em maio deste ano.

Renato Rovai e Plínio Teodoro, Revista Fórum
Advertisemen