Jurista do impeachment é reprovada em Universidade

Publicidade

Janaína Paschoal fica em último lugar para concurso de professora titular na USP

Alçada pela mídia à condição de uma das maiores juristas do país por ser responsável pela acusação que culminou no impeachment de de Dilma Rousseff pelo “crime” de pedaladas fiscais, a Professora de Direito Penal da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Janaína Paschoal ficou em último lugar dentre seus pares no concurso para a cadeira de Professor Titular.

Os Juristas Alamiro Velludo e Ana Elisa Bechara ficaram com a vaga que foi disputadíssima, embora com outros professores da universidade que não Janaína. Ambos tiveram notas que giraram numa média 9,5 e 9,2, respectivamente, muito superior às auferidas pela “jurista” do impeachment, cujas notas variaram entre 6,44 e 7,20.

O concurso marca mais um episódio na vida da profissional, que, desde o impeachment, não tem sido mais presença constante na mídia e, de outro lado, protagoniza momentos cômicos no Twitter, como o prenúncio de uma invasão no Brasil pela Rússia de Putin e, ainda, o sua autodeclaração de novo emprego enquanto inspetora dos banheiros do Parque Ibirapuera.




Na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, seu momento mais célebre foi o discurso pelo impeachment no auge de sua fama, quando bradou que iria matar a “República da Cobra”. A atuação histriônico rendeu memes na época, mas isso não a impediu de levar a cabo o processo de impeachment sem nenhum questionamento pela grande mídia.




Justificando
, CartaCapital
Publicidade