Tags

Federal e MPF eram felizes e não sabiam...

Publicidade

Motim na PF? Delegados querem tirar diretor, a pretexto da Lava Jato

O Estadão anuncia hoje que um grupo de delegados federais quer tirar seu Leonardo Daiello do comando da Polícia Federal.

Policiais exigirem a saída de seu comando e ainda por cima indicar quem deve ocupa-lo, em outras palavras, é uma atitude semelhante a motim.

O delegado Daiello, que ocupava o posto dentro dos ingênuos critérios do “republicanismo” do Governo Dilma, foi quem montou a equipe policial – inclusive seu núcleo abertamente aecista – que trabalhou- e vazou seletivamente – as informações da lava Jato.

Se Daiello passou agora , como dizem os policiais, a afastar os policiais do caso, a razão deve ser procurada, óbvio, não nele, mas no que mudou acima dele.

O presidente da associação dos delegados federais, Carlos Eduardo Sobral, diz que ““há um sentimento na corporação de que a Lava Jato está chegando ao fim”.

Será que não ocorre ao Dr. Sobral a razão disso?

Será que não lhe passa pela cabeça que enquanto tivemos uma presidente honesta – embora crédula demais no profissionalismo da instituição – a PF teve toda a liberdade e apoio para trabalhar?

A PF pode chorar quantas lágrimas quiser. A demora da escolha do ministro da Justiça deve-se a encontrar alguém com a disposição (para isso há muitos) e os meios (para isto, poucos) de transformar a Lava Jato, como disse hoje José Roberto de Toledo, em esguicho.”

Será que a nossa “Federal”, tão bem informada sobre tudo, achou que um governo onde pululam propineiros ia deixar que a sangria não fosse estancada?

Nada, a disputa aí é de poder corporativo, podem escrever.

Polícia Federal e, não duvidem, Ministério Público vão voltar à condição que tinham até o Governo FHC. Manda quem pode, obedece quem tem juízo.

Fernando Brito, Tijolaço

Nota do editor da Aldeia: Então, música para embalar aqueles que acreditaram no impeachment como a grande solução para o Brasil. Segue uma paródia de Meus tempos de criança, de Ataulfo Alves com interpretação magistral de Noite Ilustrada. Para quem era guri no primeiro governo Lula, transformou-se em batedor de panela e agora aposentou... as panelas, somente as panelas. Aposentar o corpo neste País...

Eu daria tudo que tivesse
Pra voltar aos tempos da bonança
Eu não sei porque o desemprego cresce
Se não sai da gente essa lembrança

Aos domingos Minha Casa Minha Vida,
Na cidadezinha onde eu nasci
Ai, meu Deus, eu era tão feliz
No meu pequenino Miraí

Que saudade do Lulinha
Que me ensinou o beabá
Onde andará Dilminha
Meu Fies onde andará?

Eu igual a toda meninada
Quanta faculdade que todos faziam
A Lava-Jato sobre a calçada
A PF e o MPF eram felizes e não sabiam


Publicidade

Related Posts
Disqus Comments