Maranhão, Enigmas, desafios e urgências

Publicidade
“Esse livro é um documento para a história maranhense, ao resgatar um processo de mudança social interrompido por um golpe de Estado judicial: o governo Jackson Lago”. É assim que Rossini Corrêa – advogado, professor e autor de vários livros – define a obra ‘Maranhão, enigmas, desafios e urgências’, de autoria do historiador e atual secretário da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), Jhonatan Almada; do sociólogo Léo Costa; e dos economistas Aziz Santos e Raimundo Palhano.


O livro será lançado na próxima segunda-feira (12), às 17h, na unidade vocacional do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão - Iema Praia Grande, na Rua Portugal, no Centro. A obra é da Engenho, editora oficial da Secti, que tem um importante papel na divulgação do conhecimento produzido no campo da ciência, tecnologia e inovação e áreas afins e do Instituo Jackson Lago.

O livro traz reflexões sobre a realidade maranhense. São 176 paginas e quatro capítulos, cada um escrito por um dos autores. O primeiro capítulo: ‘O Maranhão como Enigma’, escrito por Abdelaziz Aboud dos Santos, é composto por seis artigos publicados pelo autor na imprensa e nas redes sociais que foram revistos e adaptados para o livro. “Coube-me abordar os enigmas maranhenses numa perspectiva prática frente ao desafio do planejamento do desenvolvimento estadual, graças, sobretudo, ao papel que exerci no governo como secretário de Planejamento e Orçamento”, destacou Aziz.

Raimundo Palhano, no capítulo ‘O Maranhão como Desafio’, escolheu textos publicitários do período de 2007 a 2009, numa forma de estimular o debate público à época. No capítulo, Palhano elenca dez macrodesafios que “clamam por soluções que, certamente, poderão tirar o Maranhão do extravio”.

No capitulo ‘O Maranhão como Urgência’, o historiador Jhonatan Almada sublinha que o governo Jackson Lago foi uma grande escola política e profissional. “Seguindo a linha de autores deste livro, reuni algumas reflexões para compor o capítulo sob uma nova visão e com as devidas reformulações e atualizações”, contou Jhonatan Almada.

A abordagem do economista Léo Costa é sobre o princípio da subsidiariedade, o Fundo Maranhense de Combate à Pobreza (Fumacop) e o projeto Águas Perenes, que ele considera “marcas indeléveis e distintivas do projeto do governo Jackson Lago para o Maranhão, alicerçado no desenvolvimento, na inclusão social e na prosperidade para todos”.

No prefácio do livro, Rossini felicita os quatro autores pela lucidez da reflexão que, segundo ele, é “absolutamente impecável”.

Elizete Silva
Publicidade

Publicidade