Com Seminário, encerra-se o 1º Ciclo do Sim, eu posso!

Publicidade

Alegria e esperança marcam abertura do Seminário Estadual de Encerramento do primeiro ciclo do ‘Sim, eu posso!’


Uma celebração à cidadania e à garantia de direitos! Esse foi o clima da abertura do Seminário de Encerramento Estadual da ‘Jornada de Alfabetização do Maranhão: ‘Sim, Eu Posso! – Círculo de Cultura’, realizado pelo Governo do Maranhão, por meio das secretarias de Estado da Educação (Seduc) e de Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop), em parceria com o Movimento do Trabalhadores e Trabalhadoras Sem Terra (MST), nesta sexta-feira (16), no Centro de Convenções Paulo Freire, na Universidade Federal do Maranhão (Ufma).

O objetivo do seminário é fazer um balanço do programa ‘Sim, Eu Posso!’, que no Maranhão é uma ação que integra a mobilização pela alfabetização dentro do Plano de Ações ‘Mais IDH’, instituído pelo governador Flávio Dino, com o objetivo de reduzir os índices de analfabetismo no estado.

Quando o 'Sim, eu posso!' foi iniciado em maio de 2016, nos oito municípios alcançados pela ação, eram 24.541 analfabetos. Com a Jornada Alfabetizadora, o Governo do Maranhão e o MST conseguiram reduzir em 29% o índice de analfabetismo nestes municípios, certificando 7.119 jovens, adultos e idosos como alfabetizados pelo Programa e realizaram o sonho de aprender a ler e escrever. Uma conquista para a vida toda.

A abertura do seminário contou com a participação de cerca de mil coordenadores, alfabetizadores e alfabetizados, como o lavrador Feliciano de Sousa Lima, de 54 anos, que veio do município de Jenipapo dos Vieiras, no Centro Sul do Maranhão. Filho de uma família de 11 irmãos, Feliciano nunca tinha tido a oportunidade de estudar. “Escrever e ler eu não sabia, não. Mas, eu sabia fazer roça, porque a minha vida foi trabalhar na roça, meu pai me levava pra terra boa de roça. Quando apareceu o Sim, eu posso!’ Os professores tinham uma maneira tão boa de ensinar e de brincar, que eu fui pra escola. Eu achei que da maneira que eles trouxeram aquela educação, se fosse assim desde o princípio, todo mundo era alfabetizado no Maranhão. Agora, eu sei escrever e ler. Quando eu vejo os ‘nome nas parede’, em qualquer lugar eu já ‘tô’ lendo, não tem coisa melhor”, afirmou o lavrador agora alfabetizado, que cultiva outro sonho: “Eu quero continuar estudando e quero ser agrônomo, porque eu já sei cuidar da terra”, completou seu Feliciano.

O secretário da Educação, Felipe Camarão, destacou o desafio assumido pelo governador Flavio Dino de erradicar o analfabetismo no estado, que chegou ao século XXI com cerca de 23% de sua população formada por analfabetos, ou seja, quase um milhão de maranhenses acima de 15 anos não sabem ler e escrever. “O governador Flávio Dino tem desempenhado um trabalho importantíssimo para erradicar o analfabetismo de nosso estado, tirando essas pessoas da escuridão, fazendo com que elas possam ter a luz de saber ler e escrever, e possibilitando mudanças sociais profundas na vida delas. Iniciaremos um novo ciclo neste ano, com metas ousadas e focadas em melhorar a vida das pessoas. Com a ajuda de todos, governo, prefeituras e o MST, conseguiremos transformar a vida de mais pessoas em nosso Estado”, enfatizou o secretário, afirmando que o ‘Sim, eu posso!' continuará nos municípios onde foi iniciado, e será ampliado para mais sete cidades, perfazendo 15 municípios neste segundo ciclo. “E daremos oportunidade a quem foi alfabetizado de continuar estudando, para que possa concluir o Ensino Fundamental, o Ensino Médio e, quem sabe, chegar a uma universidade”, concluiu Felipe.

Para o Secretário de Direitos Humanos e Participação Popular, Francisco Gonçalves, o sucesso da Jornada Alfabetizadora é uma demonstração clara de que é possível mudar a realidade do Maranhão. “Estamos vivenciando um projeto de justiça e de reparação de direito. E isto prova que, sim, podemos mudar a realidade do Maranhão! O que o governo fez foi um gesto que é o mais belo gesto da escola: levar a escola para aonde o aluno está. Que seja embaixo da árvore, que seja na casa de forno, ou no quintal da casa. É precioso fazer que a educação chegue a todos. Cada uma dessas pessoas alfabetizadas já sabia os segredos das plantas, das águas, das matas e das florestas. Com o ‘Sim, eu posso!’ eles aprenderam o código das letras, aprenderam a escrever o nome, tiveram garantido o acesso a um direito básico que lhes havia sido negado,” destacou.

Divina Lopes, que faz parte da coordenação estadual do MST, declara que este momento representa muito para a educação do estado. “A Jornada de Alfabetização cumpriu uma função social impressionante, porque mobilizou os municípios e as pessoas, além de elevar o nível de consciência delas em relação ao que elas têm direito de ter acesso, mostrou à nossa população que quando o povo tem acesso, se dedica e aprende. Hoje nós temos mais de 7 mil homens e mulheres, jovens e adultos que conseguiram se alfabetizar, não é qualquer coisa”, declarou Divina.

Dona Joana Oliveira de Sousa, de Itaipava de Grajaú, diz que depois de aprender a ler e escrever o mundo ficou diferente. “O ‘Sim, eu posso!’ significou muito pra mim, porque quem não tem leitura de jeito nenhum é cego da vista limpa. E quem aprende ler, como eu aprendi, enxerga o mundo de um jeito muito melhor. Eu quero ir mais pra frente, continuar estudando”, revelou a lavradora aposentada de 65 anos.

Um dos temas abordados no primeiro dia do seminário foi a "Conjuntura Política Educacional’. Clarice dos Santos, professora da Universidade de Brasília (UNB), que coordenou a mesa, destacou a importância deste momento. "Este é um momento histórico. Daqui a algum tempo, vai contar nos livros de história que, lá no ano de 2016, no Maranhão mais de 7 mil pessoas foram alfabetizadas. São mais de 7 mil pessoas que nunca mais terão que se humilhar diante de autoridades tendo que assinar o nome com o dedo. Parabéns ao governador Flavio Dino, aos secretários Felipe Camarão e Francisco Gonçalves, que tiveram a coragem de oportunizar uma ação como esta”, disse Clarice dos Santos.

Mais dignidade e cidadania aos novos alfabetizados
Além de um momento para confraternizar e conhecer de perto o balanço de toda a jornada do Programa ‘Sim, eu posso!’, o Seminário Estadual está sendo mais uma oportunidade para os novos alfabetizados exercerem o direito de ser cidadão. No local, foi instalada a Unidade Móvel do Procon/Viva, onde os agora alfabetizados podem trocar seus documentos de identidade antigos, por novos.

É o caso de seu Vicente Borges de Sousa, de 39 anos, que aproveitou para trocar sua carteira de identidade que carregava apenas sua digital, por um documento novinho, assinado por ele. “Eu era analfabeto, ‘botava’ o dedo, ai estudei no ‘Sim, eu posso!’ e aprendi um pouquinho. A emoção é muito boa, porque ser uma pessoa analfabeta é ruim demais. Ter um documento assinado letrinha por letrinha, a gente fica mais feliz, com uma felicidade intensa. Agora vou exibir a carteira com mais orgulho”, falou o lavrador Vicente, animado com os planos futuros de continuar estudando e se formar.

Agência de Notícias Maranhão. Fotos: Karlos Gerômy

Secretário Felipe Camarão fala dos resultados obtidos, com o Sim, eu posso!

Vicente Borges de Sousa assina a nova carteira de identidade, que aproveitou para tirar na unidade Móvel do Viva durante o Seminário

Secretário Francisco Gonçalves destaca a importância social do Programa Sim, eu posso!
Publicidade