Diagnóstico na área de Gestão de Resíduos é elaborado

Publicidade
Parte fundamental da criação do Plano de Gestão de Resíduos Sólidos, as consultas públicas realizadas desde o final de outubro de 2015 pela Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semmam), entram em fase final, com o início da elaboração do diagnóstico que servirá de base para políticas do setor.

De acordo com o secretário Marco Aurélio Diniz, o diagnóstico inclui o mapeamento das áreas de despejo inadequado e também dos tipos de resíduos (garrafa pet, papelão, pneus, metais etc) e dos volumes médios de cada um deles. "A identificação da tipologia dos resíduos por área é importante para construir um plano integrado e setorizado, coerente com a nova Política Nacional de Resíduos Sólidos, instituída pela Lei 12.305/10", explica o secretário da Semmam. A criação do Plano de Gestão de Resíduos Sólidos é um compromisso da gestão do prefeito Edvaldo.

Educação Ambiental

Ainda segundo Marco Aurélio Diniz, outra consequência da realização das consultas públicas é a formação de multiplicadores capacitados em educação ambiental. "Após as consultas, demos continuidade aos cursos e oficinas de formação. No bairro de Fátima, vamos formar a primeira turma do curso completo de educação ambiental, com cinquenta alunos. Os moradores do bairro e também do Parque Amazonas, Vila dos Nobres, e Coroado se tornarão multiplicadores, capacitados para a gestão comunitária dos resíduos sólidos", disse.

O secretário afirma que essa iniciativa inédita é uma das maiores conquistas do trabalho de elaboração do Plano, isto porque, conforme Diniz, o Plano de Gestão de Resíduos Sólidos visa a criação dos Arranjos Produtivos Locais (APL), que inserem a população, cooperativas, e catadores, na nova cadeia produtiva dada aos resíduos sólidos, que podem ser aproveitados com a reciclagem e outros processos.

Audiência Pública

Concluído o diagnóstico, o secretario informa que serão convocadas as audiências públicas para saber se a sociedade valida ou não o documento. "A previsão é concluir essa etapa em breve e realizar ainda mais duas consultas públicas", afirma. "Mais de 700 pessoas entre líderes comunitários, conselheiros tutelares, professores e diretores de escola, participaram das consultas realizadas na Cidade Operária, Coroadinho e Centro Histórico de São Luís", complementa.

Agência São Luís
Publicidade

Publicidade