Alunos do Ifma visitam a subestação Santa Rita

Publicidade
Carla Kassis, Canal Comunicação

Imperatriz, MA. Estudantes dos cursos de eletromecânica e eletrotécnica, do Instituto Federal do Maranhão (Ifma), tiveram uma aula forma diferente. Sem cadernos, carteiras e quadro. Foi assim que, nesta quarta-feira (17), pela primeira vez na Subestação Santa Rita em Imperatriz. Os dez alunos, acompanhados pelo professor, puderam ver de perto cada detalhe dos equipamentos, e entender os processos ligados à distribuição de energia.

Alunos do Ifma dos cursos de eletrotécnica e eletromecânica em visita técnica
O operador e mantenedor de subestação, Lídio Louzeiro, fez um passeio com as duas turmas em toda a área, e além de exemplificar as funções de cada equipamento, também mostrou o que há de tecnologia dentro da subestação. Para ele, esse é um momento de tirar dúvidas e trocar experiências com os alunos.

“Nessa visita eles acompanharam como funciona na parte prática, daquilo que eles aprendem em sala de aula. Esse conhecimento serve de base para eles. Aqui verificamos tensão de 69Kv, transformadores, capacitores, disjuntores e sala de bateria, tudo isso eles verificaram na parte teórica. E em uma visita como essa, é sempre um prazer, pois estamos colaborando para o aprendizado e desenvolvimento deles”, disse.

Dez alunos, observaram atentamente as explicações dadas pelo técnico da Companhia, entre eles, a aluna de eletromecânica, Yoranna Araújo, já no último ano do curso, a visita serviu para esclarecer o que ela já aprendeu em sala de aula.

“O transformador me chamou muito atenção, os cuidados com a proteção, nós estudamos isso em sala de aula, e agora ver na prática é muito interessante. Como ainda sabemos pouco, durante a aula é mais complexo, ver na prática é mais fácil de entender”, explicou.

Engenheiro eletricista e professor da disciplina de máquinas elétricas no Ifma, José Carlos, trabalha há 20 anos como educador, e sempre realiza essa atividade com os alunos do curso. “É importante conhecer, e entender o funcionamento. Passamos um trabalho, os alunos têm muita teoria, e ver de perto é melhor, uma visita dessas abre os olhos do aluno. E ao longo desses anos de visitas, percebemos o quanto que Cemar avançou na segurança, e isso é muito importante”, destacou.

Durante todo o período da visita na subestação, os alunos usaram capacete, óculos e botas para garantir a segurança no local.
Publicidade