ONU participa de Fórum de Segurança Alimentar

Publicidade
O III Fórum de Segurança Alimentar e Nutricional para a Sustentabilidade de São Luís terá presença do representante do Brasil na Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Gustavo Chianca. Será dele a palestra magna do evento que vai debater o tema central 'Proteção social e agricultura: quebrando o ciclo da pobreza rural'. O debate é mundial e simultâneo em diversos países e tem como público alvo as comunidades produtoras rurais e profissionais da área, além de professores, acadêmicos e sociedade civil organizada. O fórum é promovido pela Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Segurança Alimentar (Semsa).

"A presença desta autoridade no assunto e representante deste importante órgão mundial é uma satisfação para nós. Esse prestígio que ele nos concede só confirma a eficiência do trabalho que o prefeito Edivaldo vem desenvolvendo na área", disse a titular da Semsa, Fatima Ribeiro. Chianca estará em São Luís especialmente para o fórum.

Na palestra de abertura, ele vai relatar o cenário do setor agrícola rural, políticas em execução no país, experiências exitosas e resultados dos programas sociais em implantação. Para Gustavo Chianca, as políticas de Segurança Alimentar devem focar em quatro pilares essenciais e cita alimentos em quantidade, acesso a estes produtos com recursos, a continuidade da distribuição e a qualidade nutricional do que é disponível.

Segundo aponta o membro da FAO-Brasil, programas sociais brasileiros têm servido de modelo para a condução de políticas e como alternativa de propostas para redução da fome em países da América Latina e África. O Programa de Aquisições de Alimentos (PAA), por exemplo, foi implantado na África, e o que é adquirido na agricultura local é revertido para a merenda escolar.

Em São Luís, este é o maior programa da Segurança Alimentar, que desde seu início, em maio, já atendeu mais de 30 mil famílias com a distribuição de mais de 130 toneladas de alimentos. O Fórum integra o cronograma de atividades da Semana Mundial de Alimentação e será realizado dia 24 deste mês, no auditório da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (Fiema), na Cohama, das 8h às 17h.

Gustavo Chianca tem ampla formação na área. É doutor em Economia e Sociologia das Sociedades Latino Americanas pela Université Sorbonne Nouvelle Paris - III IHEAL (Institut des Hautes Etudes de l'Amérique Latine). Na mesma Universidade adquiriu o Diploma de Estudos Aprofundados (DEA), equivalente ao Mestrado em sociedades latino-americanas, área de concentração em economia, 1994. Participou do Programa em curso no Laboratório INRA (Institut National de recherche). Agronomique - ARIES (Atelier de recherches sur la régulation internationale et les Etats). Ganhou medalha de honra ao mérito, outorgada pela diretoria da SNA por seu trabalho em prol da agricultura fluminense em 2002.

Saiba Mais

Segundo o Relatório Anual de Segurança e Insegurança Alimentar, da ONU, edição 2014, o Brasil saiu da condição de insegurança alimentar e possui menos de 5% da população brasileira nesse quadro. O índice é um patamar mundial, que também considera os países desenvolvidos na classificação das regiões que conseguiram sair da linha extrema insegurança alimentar.

Na avaliação de Gustavo Chianca, o resultado do levantamento aponta que as políticas brasileiras de combate à fome têm sido eficazes. A FAO-Brasil atua em ações nas áreas de insegurança alimentar, aquicultura, boas práticas, flora (florestas e bosques) e na agricultura e tem sua sede em Roma, na Itália. A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) foi criada em 16 de outubro de 1945 e atualmente possui 191 países membros, mais a Comunidade Europeia. A FAO lidera os esforços internacionais de erradicação da fome e da insegurança alimentar no mundo.

Carolina Nahuz
Publicidade