Gerson Pinheiro

Gerson Pinheiro é Geógrafo pela Universidade Federal do Maranhão, vice-presidente do PCdoB-MA e diretor da União de Negros Pela Igualdade (Unegro-MA).

Foi militante do movimento comunitário e estudantil em São Luís nos anos 80 com participação na luta pela redemocratização do nosso país. Foi um dos fundadores do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias dos Estados do Maranhão, Pará e Tocantins (Stefem), do qual foi Secretário Geral.

Seus versos encantam pela beleza do conteúdo e da forma.

Todos os sábados, leitores da Aldeia Global podem se deleitar com seus mais novos poemas.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Vai Quem Quer


Gerson Pinheiro

Quem quer ver vai

   Vai Quem Quer

       Apenas Pirapemas.

          Teto de palha

             Paredes de palha

                 Piso de terra solta

                    Poeira, fome, dor.

Porta de esteira

   Esteira de palha

       Mesa, piso, cama

           Confundem-se em pó.

Pó, terra solta, sem liga

   Não ligas!

Sertão, solidão, pés no chão.

   Esparramados

       Inchados

           Bichados

                Sangrados!

Vasta pança, cambitas finas.

   Sem escolha

      Fé em sina

          De sofrer, outra não há!

Olhos esbugalhados

   Contemplam desilusão.

      Tem em todo o Maranhão

         Vai Quem Quer

             Quem quer vai e vê.

Não apenas Pirapemas

   Tem.

   Quem quer ver, vê mais além.

sábado, 3 de maio de 2014


E Passa o Trem


Gerson Pinheiro

Pensei ter me encontrado
Fosse o trem da minha sorte
Mesmo assim deixou saudades
Quem sabe do meu reboque.
                            E passa mato
                            Passa casa
                            Passa ponte
                            E olha eu aqui sozinho!
Partiu com parte de mim
Esse trem da minha sorte
Carajás ficou saudades
Sei, eu só, do meu reboque.
                            E passa mato
                            Passa lago
                            Passa fonte
                            E olha eu aqui sozinho!
Eu também parti de mim
Em revoltas contra a sorte
Feito os rios da minha terra
A correr rumo ao Norte.
                            E passa mato
                            Passa tempo
                            Passa monte
                            E olha eu aqui sozinho!
Na estação da nova vida
Reencontrei o meu norte
Já não procuro por mim
O nós é muito mais forte!
                            E vejo mato
                            Vejo casa
                            Vejo ponte
                            Vejo lago
                            Vejo fonte
                            Vejo tempo
                            Vejo monte
                            Vejo não estar sozinho!

Trem da Vale


sábado, 1 de março de 2014

Revolvendo: novo poema de Gerson Pinheiro


Revolvendo

Gerson Pinheiro


Compassos

Elásticos

Circundam

Espaços.

Demarcar posses,

Astros, terras, mentes.


                     Naves brilhantes,

                     Vidas viandantes,

                     Controlam tudo.

                     Longos tirantes,

                     Apreender pertences,

                     Destruir potências.


                                       Terráqueos contemporâneos,

                                       Cérebros galácticos,

                                       Iris cósmicas,

                                       Limites distantes.

                                       Buracos-negros,

                                       Ilusão,

                                       Engano.


Terráqueos contemporâneos,

Esqueçam:

Estrelas,

Galáxias,

Cosmos,

Negros buracos distantes.


                   Fermenta no magma do homem

                   Por excesso ou carência,

                   O último instante.

                   Tal tumores internos

                   A destruir cérebros,

                   Células cancerosas

                   A macular tecidos.

                   Magmática bomba potencial,

                   Inevitável implosão terrestre!

Terra


sábado, 25 de janeiro de 2014

Gerson Pinheiro: O Mono-Múltiplo


Monolito

O Mono-Múltiplo


Gerson Pinheiro

O monólito sisudo a cerrar segredos

Vai aos poucos cedendo a leves carinhos

Nele o poema frestas cria

A expor miragens que bailam

Vestidas de arte, fantasias.

No espaço ao sabor do infinito tempo

O poeta viaja fragmentos

Captando formas, firmamentos,

Contornando furtivos elementos

Registrado encontros, encantamentos.

E na fantasia nascida da pedra

Vislumbra o confronto que no todo habita

A romper e buscar ajuntamento.

De braços dados dançam no seio,

As ditas e desditas,

Do mesmo elemento.

Como acordes bases da sinfonia,

Umas: glórias, vitórias, riso aberto,

Amor a serviço da orgia.

Outras o retroceder

De doce nos cumes a fel nos abismos,

São de dor, de lágrimas, dispensam risos.

E umas e outras

Fundem-se no tempo

De volta ao monólito por um momento

Que será fractal

Em nova poesia.

sábado, 11 de janeiro de 2014

Gerson Pinheiro em Desclassados


Desclassados


Gerson Pinheiro

O Sol queima cérebros desprotegidos,

Espremidos.

Pelas mãos dos que ditam, corram,

Morram.

No extremo do ser são massas,

Sem massas.

Despidos de tudo são peles,

Só peles.

Amputados os membros são vermes,

Só vermes.

Lançados os escarros limosos, esporrentos,

Nojentos.

Negado lhes é às feridas do tempo,

Unguento.

Vida!

Clamam por vida,

Ou sorte,

De morte.

Transformados que foram em trastes,

Desastres.

Vozes abafadas ressoam,

Entoam.

Seus gritos por terra,

Guerra.

Inda querem os que a lei citam,

Ditam.

Que semimortos não falem,

Calem.

Que nos berços não embalem,

Não escalem.

Mas, pro amanhã que vem,

Mantêm.

Na semente dos filhos vivem,

Revivem.

Vozes do futuro,

Estridente grito,

Infinito.

Direto da Aldeia publica poemas inéditos do autor aos sábados, leia mais:
Marilha de Repente e Movimento
Meninos Guarás
Realver

sábado, 4 de janeiro de 2014

Meninos Guarás: o poema inédito deste sábado, 04


Meninos Guarás


Gerson Pinheiro

Um guará alça vôo,
Um imenso guará de milhões de penachos,
O céu avermelha.

                                   O olhar,
                                   Só criança lança,
                                   Esperança.

Sofrimento que foi,
Dança leve meu boi.

                                   Sentimentos a mil,
                                   O corpo esquenta,
                                   Baila na vista
                                   Outrora embaçada,
                                   O clarear da revoada.

Ó vos que habitais os porões da Ilha,
Que enlameia as águas do rio Anil,
Exala mau cheiro em nossas baías.

                                   Antes que feixes teu mortal abraço de
                                   secular serpente,
                                   Temida por todos,
                                   Cantada em repentes.

A onda vermelha que voa
E que pousa em breve guarnicê,
Nos tornará crianças.

                                   Resgatando esperanças,
                                   Nos multiplicará.

E o imenso clarão de encorajar contínuo,
Nos manterá meninos,

                                    De futuro imenso,
                                    De vermelho intenso,
                                    A dissolver trevas,
                                    Porá sol a pino.

Menina,
Menino.

                                    Meninos guarás.

sábado, 21 de dezembro de 2013

Realver


Gerson Pinheiro

Vossos
     Nossos
          Vidas
              Fósseis
                    Corpos
                         Ossos.

Possuem o mundo dos metamorfoseados em posses.

                                       Refazer
                                          O
                                       Nosso.
Reviver fósseis.
                                               Reagrupar ossos.

Desmetamorfoseando extinguir posses.

                                   Nossos
                                     S
                                     O
                                     S
                                   Vossos

Enfim                                                   Nossos.

sábado, 14 de dezembro de 2013

Marilha de Repente


Lua clara
Madrugadas
         Serenatas
         Rubras velas
                     Bianas no mar.
         Coração marcado a fogo
         O medo de capelobo
         Que apareça.

Carruagem puxada à mula sem cabeça

         Eu vou te esperar.

                     Envolta em águas correntes
                     Líquido anel, tal serpente
                     Que num toque de repente

         Deixa a gente se encontrar.

Lua clara
Madrugada
         Serenatas
         Rubras velas
                     Bianas no mar.

         Coração marcado a medo
         Nas contas contam os dedos
         Nas tranças danças, folguedos

Eu vou te abraçar.

                     Chegar em breve evento
                     Rasgar teu leve ornamento
                     Elementos misturar.

         Eu viração transparente
         Navegar tuas correntes

                     Num eterno
                     Encontrar.


Movimento


A procura de parar nessas paragens
No seguro porto do movimento
Na incessante busca do ancorar
Quando encontrares o acerto é um momento.

   E dos longos dedos do eterno
   O constante cavalga sobre o tempo
   Transformando o ontem em amanhã
   E o acerto encontrado foi-se ao vento.

      Hás de buscar na geometria do espaço
      O lugar viajando espiralático
      E veras quanto o simples é complexo.
      O acaso atropelou teu acerto em tempo
      Deformando outra vez o teu evento.

         É preciso insistir na eterna busca
         Transformar, transportar teu sentimento
         E no ultracoquitel da dialética
         Descobrir que em constante cavalgar
         O repouso do eterno é o movimento.