A resposta do povo de Timon a Alexandre Almeida

Publicidade
Candidato ao senado federal pelo PSDB, o deputado estadual Alexandre Almeida escolheu como alvo desta campanha, atacar os aliados de seus adversários em Timon: a ex-prefeita Socorro Waquim e o atual prefeito, Luciano Leitoa.

Primeiro, jogou petardos no senador Edson Lobão, candidato a reeleição. Agora, volta-se contra o líder da oposição na Câmara Federal, Weverton Rocha, candidato ao Senado.

Espera-se o comportamento de magistrado aos pretendentes a uma vaga no Senado, pois a Casa é encarregada de julgar o presidente da República e os ministros do STF em caso de pedido de impeachment.

Figurar ou ter figurado em algum processo de forma alguma pode-se confundir com condenação ou culpa. Eu mesmo, no exercício da minha profissão, já fui processado por 78 vezes e fui absolvido em todos eles. Weverton já foi processado também e igualmente inocentado.

Na política, tem inúmeros casos onde pessoas foram presas mais pela popularidade das suas ideias do que por alguma prova. São os casos de Lula e Nelson Mandela. Tem quem pagou com a vida, como foram os casos de Olga Benário, Tiradentes, Joana D’arc e Negro Cosme.

Uma pessoa pode usar uma disputa eleitoral como trampolim para o salto. Outro tucano, Ildemar Gonçalves, usou do mesmo expediente em 2002. Igualmente saiu para senado, projetou-se e depois retornou à Prefeitura de Açailândia. Porém, fez de forma elegante, com propostas capazes de cativar o eleitorado.

O Maranhão responderá nas urnas de 7 de outubro, com o voto popular, sobre estes ataques de Alexandre Almeida. Outra resposta, mais retumbante, será daqui a dois anos, quando ele tentar a Prefeitura de Timon. Quem espalha muita lama corre o risco de sujar a cara!

Frederico Luiz
Advertisemen