GLO: caminhoneiros sentem o golpe

Publicidade
Quando a greve dos caminhoneiros começou na segunda, 21, para muitos deles era crível que a forças armadas jamais se colocariam contra eles. Muitos grevistas defendiam até uma intervenção militar no País e faziam parte do exército de reserva da direita brasileira. Agora, com a GLO como instrumento de repressão, eles acusaram o golpe.

Quando a presidenta Dilma Rousseff decidiu abrir mão deste instrumento de repressão em movimento semelhante às vésperas do seu impeachment em 2016, estes mesmos caminhoneiros foram levados a crer que tinham mesmo grande influência nas polícias e nas forças armadas.

Direto da Aldeia publicou:
# GREVE DOS CAMINHONEIROS ESTACIONA O PAÍS
# NICOLAS MADURO VENCE COM FOLGA NA VENEZUELA
# ZUZU ANGEL: MORTA POR ORDEM DE GEISEL


Ministério da Defesa explica GLO [PDF, ambiente seguro]

As empresas contratadoras de caminhoneiros autônomos e as que possuem frota própria apoiaram até aqui o movimento. Agora, paulatinamente, puxam o tapete onde se assenta parte da radicalização com os bloqueios nas estradas.

A Rede Globo desde o Jornal Globo deste sábado, 26 de maio, mudou sua linha editorial, mostrando os prejuízos da greve para a população.

Sobrou ontem, apenas, as centrais sindicais. Elas emitiram nota colocando-se a disposição para uma possível mediação. A Frente Brasil Popular, anteontem, também posicionou-se a favor das justas reivindicações dos caminhoneiros como a redução do preço do diesel e a tabela nacional de fretes.

Os caminhoneiros começam a sentir os efeitos do golpe de 2016. Quem os apoiavam para derrubar Dilma agora cruzam os braços diante de suas reivindicações.

Frederico Luiz
Advertisemen