Mariano Castro é mais uma vítima da mídia tradicional

Publicidade
Duas desastradas operações desencadeadas no Brasil culminaram em dois suicídios desde outubro do ano passado. Naquele mês, o ex-reitor da UFSC, Luiz Carlos Cancellier de Olivo tirou sua vida num shopping da capital catarinense. Há dois dias, o médico Mariano Castro e Silva cometeu suicídio. Ele foi um dos presos na Operação Pegadores, em novembro de 2017.

Os dois foram vítimas da mídia seletiva implantada pelo PiG (Partido da imprensa Golpista) e seus capatazes ancorados em blogues e páginas na internet. Foram condenados antes mesmo do julgamento.

Até recente decisão do STF, quem publicava documentos sob segredo do justiça era cúmplice do crime. Agora, somente a autoridade responsável pelo vazamento é passível de punição. E o espírito de corpo do Poder Judiciário, MPF e PF impedem que esses criminosos sejam punidos, até o presente.

Mariano Castro é vítima do fascismo

O fascismo tem suas facetas na atualidade. E uma delas está em manchar a imagem dos acusados.

Direto da Aldeia reafirma seu compromisso com a rigorosa apuração dos fatos. O editor, Frederico Luiz, já foi processado por 78 vezes. E em todas as demandas judiciais foi absolvido.

Liberdade de Expressão

“Liberdade de expressão de forma alguma pode ser confundida com liberação para injuriar, caluniar e difamar”, explica o editor. Ele defende a elaboração de lei de regulação da mídia, a exemplo das existentes nos EUA, Inglaterra e Argentina.

Direto da Aldeia
Advertisemen