-->

Termina interrogatório de Bruno em Minas Gerais

Publicidade
Alessandra Mendes, especial para o iG

O goleiro Bruno Fernandes saiu agora há pouco do Departamento de Investigações, em Lagoinhas, Belo Horizonte, onde chegou por volta de meio-dia desta segunda-feira (19) para prestar depoimento.

De acordo coma a polícia, ele manteve a estratégia da defesa de se manter calado. Bruno saiu algemado e foi levado para uma viatura que o levará de volta para a Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Já Luiz Henrique Romão, conhecido como Macarrão, continua dentro do departamento sendo interrogado, acompanhado do advogado Ércio Quaresma, que além de defender Bruno é também responsável pela sua defesa.

Mais cedo, Quaresma disse que Luiz Henrique Romão fora agredido por um delegado com um tapa no peito e que teria até caído no chão. O motivo da suposta agressão seria para forçá-lo a abandonar a estratégia da defesa que o orientou a não responder às perguntas feitas pela polícia neste momento das investigações.

Por conta dessa denúncia, Romão irá passar por um exame de corpo de delito antes de voltar para a penitenciária. 

Mulher de Bruno decide colaborar com as investigações

Dayanne Souza acredita que não tem mais por que segurar a barra do marido. Ela falou que viu Eliza Samudio viva, no sítio do jogador, nos dias 9 e 10 de junho.

A mulher do goleiro Bruno decidiu colaborar com as investigações sobre a morte de Eliza. Em depoimento à polícia, ela disse ter visto Eliza Samudio no dia 10 de junho. Veja na reportagem de Liliana Junger.

Orientada por um novo advogado, Dayanne Souza, mulher do goleiro Bruno, resolveu colaborar com a investigação. Ela disse que conversou com a mãe e os irmãos e que não teria mais por que segurar a barra do marido.

Ouvida na última sexta-feira, Dayanne falou que viu Eliza Samudio viva, no sítio do jogador, nos dias 9 e 10 de junho. “Ela, pelo menos, acho que se sentiu bem com as informações prestadas e não teve nada que a afetasse”, contou o advogado de Dayanne, Emerson Louro.

Outro depoimento que confirma a versão de Dayanne é o de Elenilson Vitor da Silva, administrador do sítio. Ele contou à polícia que serviu café da manhã e almoço para Eliza também no dia 10 de junho.

Com base nos depoimentos do menor e de Sérgio Rosa Sales, primo do goleiro, os investigadores acreditam que Eliza foi morta no dia 9 de junho. O ex-policial civil, Marcos Aparecido, o Bola, está preso, suspeito de assassinar e desaparecer com o corpo.

Ainda de acordo com o novo interrogatório, Dayanne falou que Bruno pediu pra ela tomar conta do bebê porque Eliza fazia compras para uma viagem.

Fernanda Gomes Castro, ex-amante de Bruno, é citada em vários depoimentos, também por ter tomado conta do filho de Eliza. Segundo o advogado de Fernanda, ela deve se apresentar voluntariamente à polícia, nesta terça.

Nesta segunda, a polícia ouviu Tayara Júlia, mulher de Clayton Gonçalves, motorista de Bruno. Tayara confirmou que cuidou do bebê de Eliza duas semanas depois do desaparecimento da mãe da criança. O bebê foi entregue a ela por Wemerson Marques, o Coxinha, que está preso, suspeito de transportar a criança e Dayanne.

“Ela falou que era filho dele. Ela recebeu R$ 50 para essa finalidade. Deixou lá uma mamadeira e uma cadeirinha da criança”, contou o advogado Lourivaldo Carneiro.

No fim da tarde, Clayton chegou ao Departamento de Investigações, em Belo Horizonte. Ficou duas horas e meia e saiu sem dar declarações.
Advertisemen