-->

Imperatriz, a rota anunciada

Publicidade

Um trabalho de investigação de policiais civis da Divisão de Repreensão ao Entorpecente levou à prisão de dois homens responsáveis pelo carregamento de 10 quilos de cocaína que teve sua origem em cidades do Estado do Acre com produto final chegando ao consumo dos paraenses.
Para os policiais da DRCO, sob o comando do delegado João Bosco Martins, os “modus operandis” dos traficantes não chega a ser surpresa. Para transportar a droga do Acre até o Pará, eles utilizaram vários meios de transportes, sempre fazendo escalas, no entanto, mantendo sempre o patrão informado.

O transportador da droga era o mototaxista Adivaldo da Silva Brito, 29 anos, residente em Marituba, que foi contratado por Alberto Alessandro Amaral pela quantia de R$ 5 mil para viajar até a cidade de Epitacilândia, no Acre, para pegar a droga.

Segundo Adivaldo Brito, que é do município de Augusto Corrêa (PA), ele não tinha feito uma viagem tão longa, mas orientado pelo homem que comprou a droga (avaliada em R$ 130 mil) foi seguindo as dicas chegando até a cidade de Basiléia, depois Epitacilândia, onde ficou hospedado em um hotel até a entrega do entorpecente. Lá, o homem fez algumas compras em um supermercado e dentro do quarto do hotel as embalagens foram abertas com todo cuidado para não deixar vestígios e os pequenos pacotes de cocaína foram introduzidos em embalagens de café, açúcar mascavo, ração para cachorro e sucos granulados.

Para mascarar ainda mais a droga, o homem comprou outros materiais de primeira necessidade como biscoitos e macarrão instantâneo, porque caso houvesse uma fiscalização, aquilo seria produto da cesta básica que o transportador estaria trazendo para a família.

O acusado então retornou ao Pará passando por dezenas de postos de fiscalização e não foi importunado até desembarcar de um ônibus, oriundo de Imperatriz (MA) no município de Marituba na madrugada de ontem, quando foi recepcionado por policiais da Divisão de Repreensão ao Entorpecente, sob o comando do delegado Hennison Jacó.

Com informações do Diário do Pará.
Advertisemen