-->

Hotéis em São Luís e Imperatriz

Publicidade
O maranhense Rogério Tavares da Silva, diretor-presidente do Grupo Solare, formado em Hotelaria pela Universidade do Maranhão, sempre teve como meta nunca desistir dos seus sonhos. Com perspicácia o executivo que desde pequeno viajava com os seus pais teve despertado o amor pela hotelaria.

Em 1999, acaba surgindo a oportunidade de trabalhar no segmento e em sociedade com sua esposa, Tavares lança o seu primeiro hotel, o Solare Suítes Number One Flat, em São Luís (MA), que acabou dando origem ao grupo. Atualmente são 10 hotéis em operação, 26 contratos assinados para implantação de novos empreendimentos e desse montante 15 meios de hospedagem devem estar concluídos até 2012.

Com uma meta audaciosa de estar presente em todas as capitais nordestinas e conquistar 60% dos leitos do mercado de Belém (PA), o diretor-presidente do Grupo Solare, também anuncia que novos contratos serão assinados para outras regiões do país. Abaixo, entrevista concedida a Juliana Albino e publicada ontem no Hôtelier News.

Hôtelier News: O grupo está investindo em novas contratações desde o começo do ano. São algumas das estratégias que ajudarão no crescimento da rede?  
Rogério Tavares da Silva: A nossa meta é investir cada vez mais na promoção e capacitação dos nossos colaboradores e a vinda desses novos executivos fazem parte das futuras projeções do grupo. Sentimos a necessidade de gerir melhor o corporativo e resolvemos acompanhar nossos gerentes de perto. Além do que, o aprimoramento e capacitação dos colaboradores serão alavancas chaves para termos um crescimento expressivo ao longo dos próximos anos.

HN: Os investimentos têm sido altos para aquisição de novos mercados e o retorno dos negócios são favoráveis? O que mostram os indicadores do grupo?
Tavares da Silva: Segundo o anuário exame 2007/2008, já nos posicionamos entre os três maiores investidores do Norte/Nordeste. Hoje temos um retorno para os investidores variando entre 10 a 18% ao ano. O índice médio do valor distribuído sobre o faturamento de hospedagem aponta 30%, sendo assim o grupo apresenta anualmente índices acumulados acima da caderneta de poupança com base em 2009, resultando em uma projeção de 7,05%.

HN: Qual o retorno desse faturamento, com relação às taxas de ocupação ao longo do ano?  
Tavares da Silva: Temos registrado em 2008, uma taxa média de ocupação de 83%, em 2009, 76% respectivamente. A previsão para este ano é atingir a casa dos 79%. Atualmente a gestão patrimonial do grupo é de R$ 120 milhões, para os próximos anos a previsão é alcançarmos os R$ 400 milhões. O nosso faturamento no ano passado chegou a R$ 34 milhões, e a projeção de faturamento para 2010 é de R$ 55 milhões. Com esses bons índices, já registramos através de pesquisas realizadas em nossos empreendimentos que a satisfação dos clientes é de 98%. O resultado nos impulsiona a ter em três anos um aumento também no número de colaboradores chegando a 1.200.
 
HN: Quanto às novas demandas de mercado, há projetos para quais cidades do Norte e Nordeste?

Tavares da Silva: Já temos contratos assinados em Marabá (PA), Castanhal (PA), Imperatriz (MA), Maceió (AL), o que começa a concretização para estar em todas as capitais do Norte e  Nordeste. A nossa meta é entrar no mercado de Fortaleza e Olinda. O que aponto é que existe uma carência hoteleira nessas regiões, com empreendimentos que ofereçam serviços diferenciados e autênticos. A nossa proposta é trazer aos atuais e futuros clientes dessas localidades, hotéis que lhes remetam experiências únicas.

HN: Existe a pretensão de atingir o Sudeste ou Centro-Oeste do país?
Tavares da Silva: Não temos nenhuma meta de negócios para Sudeste do país, apesar de saber que São Paulo e Rio de Janeiro são mercados muito promissores. O que já posso adiantar é que desejamos chegar até o Centro-Oeste, especificamente em Brasília. Ainda estamos fomentando e negociando esse novo projeto, e acho que nos próximos meses novidades serão lançadas no mercado.

HN: A estratégia desse crescimento tão rápido está ligado diretamente a Copa do Mundo de 2014?
Tavares da Silva: Sim. A Copa fará com que o Brasil se torne conhecido como destino turístico, e vinda de jornalistas de toda a parte do mundo divulgará que o nosso destino tem capacidade para atender turistas de todos os gêneros. Só no Nordeste teremos Natal, Recife e Salvador, como cidades-sedes, e na região Norte Manaus, onde teremos um empreendimento.
 O poder público, como hoteleiros, entidades turísticas, em união precisam fazer com que tenhamos um legado pós-evento, onde é preciso destacar que o Brasil não é só o país do carnaval, e sim um destino de diversidades e competências para negócios.

HN: Os próximos lançamentos do grupo estão previstos para quais anos?
Tavares da Silva: Temos previstos 15 novos empreendimentos. Em Maceió (AL) deveremos inaugurar o Gran Solare Sonho Verde (2013); em Barra de São Miguel, ILOA - Vida em família by Solare (2012) - este empreendimento terá um proposta diversificada para as famílias, mesclando a comodidade do dia a dia com um produto diferenciado. No Amazonas, Manaus, em 2012 inauguraremos o Expresso XXI Morada do Sol  e o Soft Inn Morada do Sol, ambos  no mesmo ano. Já em São Luís, no Maranhão, o Soft Inn São Luís, ainda este ano, Expresso XXI São Cristovão, em 2012. Em Imperatriz (MA) o Soft Inn Imperatriz (2012) e Expresso XXI Imperatriz (2012); em Belém (PA), Gran Solare Connext (2010), Soft Inn Batista Campos (2010), Expresso XXI Hangar (2011), Soft Inn Hangar (2011); na região de Castanhal, o Expresso XXI Castanhal (2012), e para finalizar em Marabá, Expresso XXI Marabá e Solare Suítes Marabá (2012).     
 
HN: E por que os investimentos focados preferencialmente em Belém do Pará?

Tavares da Silva: A capital paraense é totalmente voltada ao público de negócios. Atualmente o que alavanca o país é o empresariado, e estar neste segmento é a nossa grande aposta de crescimento. Belém precisa ser reconhecida pelos seus atrativos turísticos, gastronomia e também pelo que pode oferecer no segmento hoteleiro e em espaços de eventos. Um estudo feito por analistas do nosso grupo constatou que nos próximos anos a cidade terá 19 novos hotéis, e desse total cinco deles serão do grupo Solare.

HN: Um dos empreendimentos do grupo previsto para 2012, em Marabá (PA) será acoplado a um shopping?
Tavares da Silva: O turismo de eventos é muito rico nas cidades de Castanhal, Marabá, Ananindeua, todas próximas a Belém (PA). Em um dos nossos hotéis em Marabá teremos um shopping center, que contará com duas torres de hotel mesclado com salas comerciais. Surge um novo desafio que é gerenciar espaços comerciais, o hotel, juntamente com um polo de compras. Acredito que a diferença esteja na facilidade, principalmente ao público de negócios de encontrar tudo o que necessita em um único local.

HN: Vocês estão inseridos nas mídias sociais, o que elas podem  trazer de benefícios para os negócios?
Tavares da Silva: Uma das nossas ações de marketing para trabalhar diretamente com o consumidor final é nos inserirmos no Twitter, Orkut e Facebook. Já estamos finalizando a reformulação do nosso site e blog, para fazer com que o nosso consumidor tenha acesso de forma mais direta às nossas promoções e lançamentos.
A meta é melhorar as reservas online, pois o nosso perfil de consumidor tem uma faixa etária de aproximadamente 30 anos, e deseja facilidade em suas reservas. Essas ferramentas nos ajudam a mensurar quantos contatos nos geraram negócios e fidelização.

HN: Você mencionou que a crise econômica trouxe novas oportunidades para o grupo. Poderia citar algumas delas?
Tavares da Silva: Para nós que atuamos fortemente na hotelaria das cidades do Norte e Nordeste percebemos que era necessário investir na implantação de novos hotéis e reformulação dos já existentes. Com a suposta crise que acometeu o mundo no ano passado, detectamos um aumento significativo do mercado interno em nossos empreendimentos. Neste ínterim aproveitamos para agregar nos serviços valores promocionais, além de despertar nesse público o interesse em conhecer os atrativos do seu próprio país. O que realmente sentimos foi uma queda nos dígitos do mercado europeu, em contrapartida o lazer cresceu muito em relação aos anos anteriores.

HN: O que você costuma fazer para descontrair?
Tavares da Silva: A vida do hoteleiro é só viajar, mas quando me sobra um tempinho gosto de ficar com a minha família em São Luís (MA). E confesso que nos momentos de descanso constumeiramente faço um churrasco e relaxo da correria do dia a dia, e garanto que não existe nada melhor.
Advertisemen