-->

Novas UTI’s, ambulâncias do Samu e novo Socorrão de 300 leitos

Publicidade
O Hospital Municipal de Imperatriz (Socorrão), recebe mais 10 leitos de UTI adulto e o Hospital Infantil, (Socorrinho), 10 leitos de UTI Infantil (29 dias a 12 anos). O anúncio oficial foi na terça-feira, 7, em Brasília, durante audiência do prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira e o ministro da Saúde, José Gomes Temporão.

As redes públicas estadual e municipal são desprovidas de UTI Infantil. A cidade conta com apenas sete destes leitos, todos na rede privada nos hospitais Santa Mônica, Hospital das Clínicas e São Rafael.

No encontro ficou, também, definido que a segunda maior cidade do Maranhão receberá do governo federal, recursos para construção e equipamentos do novo Hospital Municipal com capacidade para 300 leitos. O prédio do atual Socorrão é alugado e sua capacidade é para 176 leitos. O Socorrinho também é alugado e com capacidade para 80 leitos.

“De manhã, mantivemos uma reunião de trabalho com a equipe do Ministério que estava sensibilizada com a nossa situação, às 14h30min fomos ao encontro do ministro Temporão, já sensibilizado com a crise da UTI’s”, explica o prefeito Madeira.

O ministro Temporão garantiu ao representante do governo do Estado, médico José Márcio, recursos para ampliação dos leitos de UTI neonatal (para recém-nascidos de 0 a 28 dias). A capacidade do Hospital Regional Materno Infantil passa dos atuais 28 para 56 Unidades.

Atualmente, afora as capitais, São Luís distante de Imperatriz 616 km, Teresina (605 km), Belém (593 km) e Palmas (622 km), apenas Imperatriz possui UTI neonatal, para os nascidos de 0 até 29 dias.

Foi liberado ainda R$ 1 milhão em caráter emergencial para a Prefeitura usar no custeio e investimentos na saúde e ainda haverá reposição das ambulâncias do Samu que estão fora de operação. “Uma destas ambulâncias é, praticamente, uma UTI móvel”, disse o prefeito Madeira em entrevista, ontem, ao Jornal da Difusora, exibido no canal 7. No mesmo programa, ele confirmou a transferência de R$ 2 milhões dos R$ 5 milhões do conveniados entre governo do Estado e a Prefeitura.

A segunda maior cidade do Maranhão, com 236.691 habitantes atende também em média e alta complexidade, o sul do Estado, pactuado entre os municípios. Ou seja, existe repasse de recursos destas cidades para o atendimento de seus respectivos moradores.

De acordo com a secretária de Saúde, Conceição Madeira, a situação é dramática em relação ao sul e leste do Pará e mais o norte do Tocantins. “As ambulâncias das cidades destes dois estados chegam aos hospitais da rede pública de saúde de Imperatriz, despejam os doentes e sequer procuram efetuar algum tipo de convênio para ajudar no tratamento destes pacientes”, confirma a secretária que também participou da audiência.

O prefeito Madeira apresentou ao ministro Temporão, reportagem exibida na TV Difusora Sul, canal 7, de Imperatriz que mostra o Hospital de São Miguel-TO (11,8 km de Imperatriz) fechado e os moradores afirmando que todos os procedimentos, mesmo os mais simples, são feitos no Socorrão e no Socorrinho.
Advertisemen