-->

Ato político contra 'golpe' lota auditório da AL

Publicidade
Do JP Online

Centenas de pessoas e lideranças políticas do Estado lotaram o auditório Fernando Falcão, na manhã desta sexta-feira, 16, na Assembleia Legislativa, para protestar contra a cassação do ex-governador Jackson Lago (PDT) e do ex-vice-governador Luiz Porto (PSDB), no dia 16 de abril de 2009, pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por abuso de poder político.

O ato político marcou o reencontro público das principais lideranças de oposição ao grupo Sarney, como o ex-governador José Reinaldo Tavares (PSB), Jackson Lago, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Marcelo Tavares (PSB), o ministro aposentado do STJ, Edson Vidigal (PSDB), o presidente do PSB/MA, José Antônio Almeida, além de deputados estaduais, vereadores, ex-secretários de Estado e lideranças municipais.

O golpe, por meio do Judiciário, e a apresentação das ações desastrosas do governo Roseana Sarney (PMDB) deram o tom dos principais discursos. Coube ao advogado José Antônio Almeida, ao ex-ministro Edson Vidigal apresentar as falhas da decisão tomada pelo TSE.


Centenas protestam contra 'golpe' que levou Roseana Sarney ao governo


Marcelo Tavares, Zé Reinaldo, Julião Amin, Pastor Porto e Jackson Lago criticaram de incisivamente o governo Roseana Sarney. Tavares disse que Roseana Sarney quebrou o estado em apenas 12 meses. Citou os dois pedidos de empréstimos tomados, totalizando cerca de R$ 1 bilhão; o sequestro dos recursos destinados pelos governo Jackson para os municípios e o caos constatado na saúde, educação e segurança do estado.

Zé Reinaldo apresentou dados que demonstram a melhoria dos indicadores sociais do estado, entre 2002 e 2007, durante as gestões dele de Jackson. "São estatísticas do IBGE, apresentadas pelo próprio governo Roseana Sarney, que editou um livro sobre as perspectivas do Maranhão e considerou a década de 90 como a década perdida". Nesse período, teve como governadores Edison Lobão e Roseana Sarney. Os dados do IBGE constatam como período de maior desenvolvimento do estado os cinco anos do governo Zé Reinaldo e o primeiro ano da gestão Jackson.

Jackson Lago voltou lamentar sua deposição do governo e o desrespeito ao povo do Maranhão e afirmou que "não há democracia, sem Judiciário livre", numa referência á frase atribuída a Sarney de que 'não há democracia sem parlamento livre". Afirmou estar pronto para enfrentar mais uma campanha eleitoral e acreditar no sentimento de mudança do povo maranhense.


Jackson Lago: "Não há democracia, sem Judiciário livre"

Todos os oposicionistas enfatizaram a importância da unidade em torno da causa "cívica", nas palavras de Marcelo Tavares, para derrotar Roseana Sarney e desenvolver o Maranhão.
Advertisemen