Sarneistas, o que fazer ou dizer sobre Flávio Dino

Publicidade
Os Sarneistas estão em polvorosa no Maranhão. Saíram da zona de conforto do Palácio dos Leões e ainda engatinham no ramo da oposição. Talvez, por isso mesmo tiveram de aderir ao impopular governo do golpista Temer.

Fora da água doce dos governos ficam logo desidratados e morrem. Hoje, mais uma pérola: Neste sábado, 18 de novembro, espalham que Flávio Dino teme perder a eleição de 2018 para Roseana.

O Fato. No congresso do PCdoB, Flávio Dino disse o óbvio. Das dificuldades que tem para derrotar, pela segunda vez consecutiva, o clã que dominou a política do Maranhão por 50 anos.

O boato. Caso Flávio Dino disse o contrário sobre o mando dos Sarneistas ao longo de meio século. Então, a mesma oposição diria tratar-se do professor de Deus, arrogante, prepotente…

Comparar os 14 anos de Roseana com os 3 de Flávio Dino, eles correm como o diabo corre da cruz. Os quilômetros de estradas, hospitais macrorregionais, escolas dignas construídas, aumento do efetivo e dos equipamentos das polícias, entre tantos.

A crítica política, da mesma forma, é sem comparação. Flávio Dino perdeu o PSDB. Mas ganhou o PT, o PP e o PRB que em 2018 apoiaram o candidato do esquema dos Sarneistas, Lobão Filho.

O que resta aos Sarneistas senão os factóides! Longe da foz, o Dono do Mar mostra-se cada vez mais desesperado. Os vagalhões chegam. E eles começam a enxergar a fossa para onde são levados.

Sarneistas não perdem por esperar

O mesmo risco que corre o pau, corre o machado, ensina a vida. E Roseana pode amargar um terceiro lugar na eleição do próximo ano. Será?

Relembre a campanha de 1994 com a professora Roseana ensinando com trenar (sic) mão de obra:




Frederico Luiz, Direto da Aldeia
Publicidade