Adeus, cara @FlaviodoCoroado. Você era um barato!

Publicidade
Madrugada de redator é assim mesmo, incerta. Fui tomado pela notícia da morte da minha querida seguidora, Flávia do Coroado. Ou melhor, @FlaviadoCoroado.

O falecimento aconteceu em 5 de novembro. Mas, somente hoje tomei tenência. Flávia do Coroado era o pseudônimo da médica Maria de Fátima Oliveira, indicada ao Prêmio Nobel da Paz em 2005 e ganhadora do Prêmio Mochel 2015.

Ainda durante o Salimp 2017, em 1º de novembro, numa dessas raras vezes que abandonei a tela do notebook nestes últimos tempos, ao encontrar com o líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Rogério Cafeteira, pude dizer:

– Quando encontrar a Flávia do Coroado, diga a ela que eu recomendei a entrega do queijo de São Bento!

O deputado abriu o sorriso e respondeu:

– Pode deixar, Frederico!

Desde o começo de setembro tive de parar nesta tela para lançar a Livraria Virtual e a nova página, agora em ambiente 100% seguro e ainda escrever cinco páginas por dia de O Duque de Itapapoco. Mas, notei a ausência da Flávia do Coroado na minha linha do tempo no Twitter. Desconfiado, nesta madrugada, tomei coragem e coloquei seu nome verdadeiro no Google. Assim, tomei tenência da sua morte aos 63 anos.

O Deputado Rogério Cafeteira apresentou as condolências logo no dia seis. No Maranhão, Jorge Aragão repercutiu. Sua ausência foi notada em todo o planeta. Folha de São Paulo, Vermelho, O Tempo e outras páginas nacionais destacaram a morte da médica militante. Páginas internacionais também lamentaram, a exemplo da ONU.

Flávia do Coroado escondia identidade

Flávia do Coroado fazia questão de esconder sua verdadeira identidade no Twitter. Os tempos de clandestinidade no PCdoB a ensinaram. Porém, também fui clandestino na mesma legenda, no mesmo século passado.

Foi-se a lutadora nascida em Graça Aranha-MA. Era a sucessora do legado de outra Maria, também médica, também negra, a Aragão. Duas bestas-feras em defesa de uma sociedade justa e solidária.

Adeus, Flávia do Coroado. Eis o seu obituário.

Frederico Luiz
Publicidade