Terrorismo midiático do TCU e da PF

Publicidade
O terrorismo midiático e a síndrome de abstinência de escândalos têm afetado dois órgãos de Estado: o Tribunal de Contas da União (TCU) e a Polícia Federal (PF).

O TCU montou um quadro técnico competente, que padece de uma frustração central: não poder investigar os próprios Ministros do TCU, que sempre dão a última palavra. Sua revanche é montar relatórios e marcar o gol.

Investigam determinada operação. Se for normal, será perda de tempo: não gerará matéria nem dividendos para os fiscais. Trata-se então, em qualquer hipótese, de atuar como órgão acusador.

É o caso da nova denúncia contra o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), de supostamente ter adquirido ações da JBS por um preço superavaliado (clique aqui).

Segundo a reportagem, para chegar ao chamado “preço justo” o TCU calculou a média dos 90 pregões anteriores.

Por definição, essas médias são arbitrárias. Por que não 30 dias? Por que não 180 dias?

Para compras de participação expressiva, o mercado jamais se vale dessa metodologia. Mesmo porque esses preços refletem a posição de acionistas minoritários, sem acesso ao conselho de administração e às instâncias de decisão da empresa.

Todas as avaliações de “preço justo” levam em conta o olhar para frente e não o retrovisor. Aliás, o retrovisor foi largamente empregado na primeira fase da privatização brasileira, a partir dos anos 90, para depreciar preços de ativos públicos.

Veja o exemplo:

A Empresa A tem uma rentabilidade de 10 por ação por ano.

Com investimento X, a rentabilidade poderá aumentar para, digamos, 15 por ação. Negocia-se, então, em torno desse novo referencial.

Todos os modelos de simulação adotados pelo mercado olham para a frente. Define-se uma taxa de retorno esperado pelo investidor se simulam as taxas de crescimento e os ganhos de acordo com indicadores prospectivos objetivos: preço dos produtos vendidos, ganhos de sinergia com aquisições, rentabilidade esperada.

Aldeia Global recomenda leitura:
Altamiro Borges: ofenderam a mãe do ministro da Cultura
Jornalismo de guerra de Veja ataca Lula

Em cima disso, há metodologias como DCF, dividend growth model, absolute e relative valuation models, etc.

Todas essas metodologias mostrariam discernimento do BNDES nos investimentos. Tanto que todos eles apresentaram resultados superiores ao do Ibovespa em vários períodos analisados.

Por isso mesmo, a denúncia do BNDES e do ex-presidente Luciano Coutinho é apenas fogo de artifício para gerar manchetes.

Os indiciamentos da PF

No fim de semana, a Polícia Federal promoveu o terceiro indiciamento do governador mineiro Fernando Pimentel e a enésima reportagem mencionando os indiciamentos. Todas em cima de um único fato: as delações de um marqueteiro detido no mesmo período em que ocorreu o escândalo do helicóptero com 500 quilos de cocaína.

Pela enésima vez: inquérito da PF não tem o menor valor legal. Seu único objetivo é gerar manchetes e fazer política. Todos os inquéritos anteriores foram derrubados, ou pelo Ministério Público Federal – a quem compete legalmente indiciar – ou pelos tribunais superiores.

No caso, o episódio foi de um não-favor. Segundo a denúncia, o grupo francês Casino teria pago a Fernando Pimentel para que não saísse o financiamento para o Pão de Açucar adquirir sua parte na holding de controle do grupo. Todos os jornais da época noticiaram que o BNDES não aprovou a operação devido ao fato de não haver consenso entre os acionistas. E, certamente, devido à repercussão profundamente negativa na mídia.

Luis Nassif
Publicidade