Temer e sua vitória de Pirro

Publicidade
263 votos, apenas seis votos acima da maioria simples de 257 votos.

Não é número, obvio, para derrubar o governo, mas também não é número para que o Governo passa sinalizar que possa aprovar a reforma da Previdência, ovo de ouro que o mercado ainda esperava da galinha Temer.

Temer saiu vitorioso o suficiente para se sustentar, mas não para “bancar” ao mercado ser a “grande esperança branca” para destruir os direitos previdenciários.

Não tem, sequer, uma maioria sólida, que dirá maioria significativa para fazer reformas constitucionais que exigem 308 votos, ao menos.

E perdeu, com a transmissão ao vivo da sessão de votação, seus dois principais sustentáculos: o apagão da mídia sobre seu desgaste e a menção do nome “maldito” de Lula.

O PSDB, aliás, por conta do relatório do aecista Abi-Ackel, colou sua imagem em Temer.

O dia foi de uma vitória de Pirro, daquelas em que, mais uma, o governismo estará arruinado.

Fernando Brito, Tijolaço
Publicidade

Publicidade