CPI do Lixo: Massacre de Irmã Telma foi desnecessário

Publicidade
O presidente da Câmara de Vereadores de Imperatriz-MA, José Carlos Soares, disse hoje de manhã que o massacre da sua colega Irmã Telma, nas redes sociais, neste fim-de-semana foi desnecessário e partiu da bancada de sustentação do prefeito Assis Ramos na Casa.

"A CPI do Lixo de forma alguma alcançaria o número necessário de assinaturas, informei ao prefeito, a retirada do nome da vereadora em nada contribuiu a não ser para macular a imagem da parlamentar", disse.

Na sessão desta terça-feira, 13 de junho, Zé Carlos promete contar na tribuna da Câmara como sucedeu a trama.

"Quando se retira uma assinatura é pior a repercussão do que simplesmente deixar de assinar, como fizeram os demais, ela expiou por todos", resumiu.

Entenda o caso da CPI do Lixo:
Justiça suspende contrato da Prefeitura com nova empresa do lixo
Lixo: TJMA suspende liminar e garante contrato da Redenção
Empresa sobreviveu 8 anos como maior fornecedora, sem nunca ser licitada


Ele ainda lembrou que o requerimento de retirada, conforme destaca o regimento interno da Câmara, somente tem validade a partir da leitura em plenário, nesta terça.

Veja a fotografia que viralizou nas redes sociais da maior cidade do continente maranhense com a vereadora assinando a CPI para apurar a licitação da limpeza pública, ao lado do vereador Aurélio do PT, autor da proposição e a cópia do requerimento solicitado a retirada do nome, distribuída, segundo Zé Carlos, pela bancada governista.





Redação
Publicidade