Maranhão em guerra contra o mosquito da dengue

Publicidade
Durante os meses de janeiro e fevereiro, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), realizou cinco treinamentos para os supervisores de campo e digitadores de 96% dos municípios maranhenses. No Maranhão, o levantamento será aplicado entre os meses de março e abril.

O objetivo do levantamento é mostrar a situação epidemiológica dos municípios e as ações estratégicas de combate ao Aedes, oportunizando melhores condições aos municípios de adotarem o planejamento de ações de combate ao mosquito, a partir do Levantamento Rápido de Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) e o Levantamento Amostral de Índice (LIA).

A Secretaria Adjunta da Política de Atenção Primária e Vigilância em Saúde da SES, por intermédio da Superintendência de Epidemiologia e Controle de Doenças, disponibilizou os técnicos para intensificar a capacitação. “De 13 de março a 29 de abril, a SES estará nesses municípios assessorando e supervisionando a realização do LIRA e do LIA, cujos resultados serão divulgados e servirão de orientação para a programação das ações de campo de prevenção e controle da dengue, chikungunya e zika vírus”, explicou a superintendente Graça Lírio.

Técnicos auxiliam prefeituras no enfrentamento ao Aedes. Fotos: Francisco Campos e Julyane Galvão

Dos 217 municípios, somente sete não participaram da capacitação: Vila Nova dos Martírios, Aldeias Altas, Bequimão, Central do Maranhão, Turilândia, Matões e Presidente Médici. “Nós oferecemos vagas para todos os municípios. Então, a grande maioria está pronta para executar o levantamento”, disse Graça Lírio.

De acordo com a enfermeira Joseneide Matos, coordenadora do Programa Estadual de Controle da Dengue, Zika e Chikungunya da SES, após os treinamentos, será possível traçar um real perfil da situação epidemiológica dos municípios em relação ao Aedes. “Buscamos preparar os profissionais dos municípios para identificar a realidade de cada cidade em relação ao índice de infestação do Aedes e, a partir dos dados, executarmos as ações de combate”, disse.

Sobre o LIRAa
Segundo o Ministério da Saúde (MS), os municípios com mais de 2 mil imóveis terão que realizar o LIRAa. O levantamento é uma ferramenta que ajuda a mapear os locais com altos índices de infestação do mosquito e que, consequentemente, alerta sobre os possíveis pontos de epidemia da doença. É atualmente a metodologia utilizada pelos municípios para o levantamento de índices larvários.

Metodologicamente, o LIRAa funciona da seguinte maneira: o município é dividido em áreas menores e são sorteados, aleatoriamente, os quarteirões que serão pesquisados, identificando, então, a infestação na área, chamada de estrato, e também os principais criadouros do mosquito.

A partir da informação obtida pelo LIRAa, os gestores e técnicos têm subsídios para tomada de decisão, principalmente para a priorização de áreas de atuação bem como das estratégias a serem utilizadas para eliminação ou controle dos principais criadouros da doença identificados no levantamento.

Flávia Batista, Agência Maranhão de Notícias
Publicidade