Iema: premiação comprova sucesso do ensino integral

Publicidade
Com alunos premiados em eventos científicos regionais e nacionais, o modelo de educação integral do Instituto de Educação, Ciência, Tecnologia do Maranhão (Iema) mostrou-se bem-sucedido já no primeiro ano de sua implantação, realizada no ano passado. Além dos troféus, títulos e viagens, o aprendizado e as oportunidades são as maiores conquistas para quem tem contato com o modelo de ensino do Instituto.

Entre as experiências de sucesso, está a turma de estudantes do Iema Pindaré-Mirim que foi vice-campeã nacional do Torneio Juvenil de Robótica, em novembro do ano passado. O integrante Alef Araújo, 14 anos, falou sobre o resultado.

“Nunca imaginei que um dia poderia estar no Rio de Janeiro competindo pela minha cidade, pelo meu estado. Agora vou competir fora do país. É algo incrível! Foi uma surpresa para nós, treinamos um semestre inteiro, tivemos um bom entrosamento”, disse Alef.

A aluna Suzana Carla, 15 anos, também compartilhou sua felicidade pelo destaque obtido. “É um projeto novo que nas outras escolas não tem e é inovador, foi meu primeiro ano no Iema. Foi onde eu tive mais oportunidades”, comentou.

Iniciação científica
Em São Luís, a estudante de unidade plena, Lina Cutrim da Silva, 17 anos, deu seus primeiros passos na pesquisa acadêmica ao vencer o prêmio Igualdade de Gênero, na categoria Jovem Pesquisadora no Ensino Médio, em outubro de 2016.

O ‘Prêmio Construindo a Igualdade de Gênero’ foi promovido pela Secretaria de Estado da Mulher (Semu) em parceria com a Secti. O resultado foi divulgado durante a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia no Maranhão, no município de Imperatriz.

Para Lina, a premiação trouxe estímulo para dar prosseguimento à área acadêmica. “Os professores do Iema nos incentivam a fazer pesquisa e estou no meu último ano. Quando terminar, quero cursar Ciências Socais e ser professora para continuar nessa área que gosto muito, de pesquisa”, declarou.

Outros destaques
Ainda em 2016, estudantes do Iema se destacaram em premiações nacionais como a Olímpiada Brasileira de Geografia, Mostra Brasileira de Foguetes, Olímpiada Brasileira de Robótica e Olímpiada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas.

“São resultados obtidos graças ao trabalho dedicado de nossas equipes de gestores e dos professores, os quais aprovaram inúmeros projetos de Iniciação Científica Júnior e realização de eventos científicos em editais da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico do Maranhão, Fapema”, disse o secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação, Jhonatan Almada.

Ampliação
Este ano, a rede de ensino médio casada à formação técnica se amplia, por meio da inauguração de mais quatro unidades plenas em São José de Ribamar, Coroatá, Timon e Axixá, para o crescimento profissional de um número ainda maior de jovens maranhenses.

As novas unidades plenas se somam às três já existentes em São Luís, Pindaré-Mirim e Bacabeira. As entregas elevam para 1.050 as vagas ofertadas este ano no ensino integral, triplo do que foi oferecido em 2016.

A ampliação também diversifica a grade curricular do Iema, com a implantação de novos cursos técnicos elegidos em diálogo com as comunidades. Entre as novidades, estão os cursos de Agricultura Orgânica, Cooperativismo, Zootecnia, Equipamentos Biomédicos e Informática Biomédica.

O modelo inovador de ensino do Iema, criado pelo Governo do Maranhão através da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), é inspirado nos Institutos Federais, com aulas de segunda a sexta-feira, das 7h às 17h.

Carolina Melo, Agência de Notícias Maranhão
Publicidade