Educadores e alunos elogiam Sim, Eu Posso

Publicidade
“É uma forma diferenciada de ensino que ajuda a realizar o sonho dos alunos de aprender a ler e escrever. O ‘Sim, eu posso’ nos trouxe uma forma de contribuir diretamente para a alfabetização dos moradores de nossa cidade”. Disse orgulhosa a educadora Roseane dos Anjos, que participou dos oito meses de ensino dos alunos participantes do ‘Sim, eu posso’ de Aldeias Altas.

O município, localizado na Região dos Cocais, foi o primeiro de sete que terão formaturas, esta semana, totalizando mais de nove mil maranhenses lendo e escrevendo. As próximas cidades que formarão seus alunos são Santana do Maranhão, Água Doce do Maranhão, Itaipava do Grajaú, Jenipapo dos Vieiras, São Raimundo Doca Bezerra, Governador Newton Bello e São João do Caru.

O programa, que busca alfabetizar adultos que nunca tiveram acesso a escolas e integra as ações do projeto ‘Jornada de Alfabetização’ é executado pelo Movimento Sem Terra (MST) e coordenado pelas Secretarias de Estado da Educação (Seduc) Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop). Nesta primeira etapa, atendeu a alunos de oito cidades de menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), totalizando mais de 9,3 mil pessoas divididas em 593 turmas, que serão certificadas em formatura nos próximos dias.

Dona Socorro falou de sua felicidade de ter aprendido a ler e escrever. Foto: Carlos Pereira

Educadora Pedra Gomes agradeço ao Governo do Estado pela experiência. Foto: Carlos Pereira

Educadora Roseane dos Anjos se sentiu orgulhosa em poder contribuir com a alfabetização de moradores de Aldeias Altas. Foto: Carlos Pereira

Aldeias Altas
A cidade de Aldeias Altas encerrou as aulas na sexta-feira (3), quando formou 1.918 alunos e concretizou sonhos como o da educadora Pedra Gomes, que lecionou na turma onde sua mãe e irmão tiveram aula. “É muito gratificante participar dessa vitória deles dois. A turma toda foi muito batalhadora, eles não faltavam as aulas e sempre demonstravam a vontade de aprender. Agradeço ao Governo do Estado por ter tido essa grande experiência”, conta emocionada.

Experiência inesquecível que o senhor Valdemiro [Foto em destaque acima do título] descreve com detalhes. “Foi uma beleza. Sou muito grato por ter aprendido a escrever; agora sei escrever meu nome e reconhecer as palavras. A Cidade de Aldeias Altas vai ser eternamente grata por esse trabalho realizado aqui”. Outro participante, dona Socorro, conta que a jornada da educação mudou sua vida. “Eu não sabia ler nada, mas, agora, saio daqui lendo e escrevendo. É uma grande felicidade para mim”.

Método de Ensino
O ‘Sim, Eu Posso’ utiliza método inovador idealizado pelo Instituto Pedagógico Latino-Americano e Caribenho de Cuba (Iplac) e aliado à pedagogia de Paulo Freire. Por meio dessa proposta, jovens, adultos e idosos que não sabiam ler e escrever foram alfabetizados no prazo de oito meses. Nos três primeiros, ocorre o processo de alfabetização em si. Já nos cinco restantes, os recém-alfabetizados participam de um processo chamado ‘Círculo de Cultura’. A meta é atender mais de 14 mil pessoas, com idade igual ou superior a 15 anos.

Fabiana Akira, Agência de Notícias Maranhão
Publicidade