Crise, desemprego e esperança

Publicidade
O desemprego é hoje um dos maiores problemas do país. Dados do IBGE, divulgados na última semana, mostram que a taxa de desemprego atingiu preocupantes 12%, no trimestre encerrado em dezembro. Recorde desde 2012.

Atualmente, o Brasil tem 12,3 milhões de desocupados. No trimestre anterior, eram 12,1 milhões de trabalhadores sem emprego. Ou seja, mais de 200 mil desempregados entre um trimestre e outro. Comparado ao final de 2015 são 36% a mais de trabalhadores fora do mercado. O índice é 91% maior em relação ao final de 2014, quando tínhamos 6,4 milhões de desempregados.

A crise, portanto, é bem mais aguda do que muitos acreditavam. Muito se ouviu de especialistas políticos e economistas, que bastava trocar a presidente da República para que o mercado acalmasse e o Brasil retomasse o ciclo de crescimento.

Erro monumental de avaliação. Por razões as mais diversas. Uma delas é que o investidor não costuma aplicar suas reservas onde há risco e insegurança. Menos ainda num país em que regras constitucionais possam ser desrespeitadas.

Para piorar o ambiente, grande parte dos estados tem suas finanças em colapso. Ano passado, apenas sete das 27 unidades da federação conseguiram pagar em dia os servidores públicos. Vários estados atrasaram ou parcelaram salários e o 13º.

O Maranhão felizmente está entre os estados com melhores desempenhos no pagamento de servidores e fornecedores, resultado da política de investimentos com responsabilidade fiscal. Tal regularidade e aporte de meio bilhão de reais em reajustes salariais aos mais de 110 mil servidores do Estado, na primeira metade da gestão, asseguraram minimamente a atividade econômica, principalmente no setor de serviços.

A política de investimentos públicos adotada pelo governador Flávio Dino em rodovias, escolas, hospitais, saneamento e segurança somam cerca de R$ 1,2 bilhão. Isto contribui para arrefecer as consequências da crise.

Contudo, nosso estado não é uma ilha incólume às oscilações da economia nacional e internacional. Evidentemente, que os níveis de desemprego alarmante no país têm reflexos em menor escala, é verdade, também no Maranhão. Os setores mais penalizados nacionalmente são a indústria e a construção civil. Esta em grande medida em face da paralisação e/ou redução de investimentos em programas como “Minha Casa, Minha Vida”. Outro componente importante é a escassez de grandes obras de infraestrutura executadas pelo governo federal.

Isto tem conseqüências no plano estadual. Por outro lado, o setor da administração pública apresentou desempenho positivo no Estado. Resultado da política anticíclica de novas contratações, concursos públicos e melhoria da remuneração.

Com a economia estagnada, as projeções mais otimistas apontam para melhoria do quadro no país apenas em 2018. Até lá, o esforço é para que não piore.

No Maranhão, as esperanças seguem voltadas para os investimentos públicos e privados. Na semana passada, tivemos anúncio alvissareiro de investimento de R$ 200 milhões pela Raízen, que construirá base de distribuição de combustíveis, no Porto do Itaqui. Iniciativas que contribuem para a geração de emprego e renda.

Robson Paz, O Imparcial

Edição de O Imparcial onde este artigo foi publicado, originalmente. Fac-símile: 1ª capa de O Imparcial de 7-2-2017
Publicidade

Publicidade