Temer sofre 1ª derrota na Câmara

Publicidade
20 de dezembro é o dia em que o governo golpista de Michel Temer conheceu a primeira derrota na Câmara dos Deputados que lhe abriu o caminho do assalto ao poder, naquele domingo circense que teve Eduardo Cunha como mestre de cerimônias.

Depois de um esforço imenso para esvaziar o plenário – ao ponta de ser ironizado até por Rodrigo Maia -, a aprovação do projeto de prorrogação do pagamento, por 20 anos, das dívidas dos estados e a moratória de três anos no pagamento dos encargos destes débitos é tudo o que o Planalto e Henrique Meirelles não queriam.

Foi a primeira reação contra a política de arrocho, pois foi retirada do texto toda a parte tornava obrigatório elevar a contribuição previdenciária, cortar salários e despesas, suspender reajustes, entre outras medidas.

O compromisso de manter a vinculação dos gastos com a inflação por dois anos é zero, porque a situação dos estados não permitiria nada que fosse diferente disso, embora a supressão não os deixe manietados.

Também tirou das mãos do Governo Federal a privatização, a seu gosto, de empresas e ativos dos estados.

Óbvio que Meirelles não vai passar recibo imediato, mas sentiu o golpe, apesar de dizer que não é o fim do mundo, que “a vida continua”.

Por mais que sejam abjetos alguns dos personagens metidos nesta “puxada de tapete” a Temer, é um sinal de que a sociedade está exausta de de cortes e mais cortes, que não resolveram, não resolve e não resolverão a crise que o país passa e que leva junto suas administrações públicas, da qual a única que pode equilibrar-se emitindo dívida é a União.

Foi a primeira derrota do arrocho irracional.

Fernando Brito, Tijolaço
Publicidade