Temer anuncia novo embrulho, novo pacote

Publicidade
Atolado em impopularidade, sem coragem para ir ao velório de Dom Paulo Evaristo Arns, o presidente Michel Temer anunciou hoje um embrulho.

A grafia 'embrulho' é apropriada pois todas as ações ainda são para ser estudadas, ou seja, na prática serão inócuas na recuperação do País. Mas, você pode chamar também de pacote vazio em vez de mal embrulhadas medidas.

A crise é grave após o golpe que afastou a presidenta Dilma Rousseff. Operadores golpistas no executivo, legislativo e judiciário estão sem propostas para minimizar os seus efeitos.

O Brasil parece precisar mesmo de uma nova Primavera!

Frederico Luiz

Era para ser um pacote... Mas, como diria FHC, "é o que temos". Foto: Getty Images

Governo promete baixar juros de cartão

O presidente Michel Temer (PMDB) e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, anunciaram nesta quinta-feira medidas econômicas para tentar estimular a economia e sair da crise.

Veja os principais pontos:
  • Estudo para cortar juros de cartão de crédito
  • Mais rentabilidade para o FGTS (parecida com poupança)
  • Redução de multa do FGTS paga por empresas em demissões
  • Refinanciamento de dívidas de empresas e pessoas
  • Incentivo ao crédito imobiliário
  • Desburocratização
  • Juros do cartão de crédito
Um dos pontos anunciados é um estudo para cortar os juros do cartão de crédito. Não foi especificado em quanto cairia nem em quanto tempo.

"Examina-se a possibilidade de redução substanciosa nos juros do cartão. Não se aplica imediatamente, se aplicará após concluírem estudos do BC", afirmou o presidente.

A lei hoje proíbe que, nas compras com cartão de crédito, seja oferecido desconto no pagamento em uma parcela só (embora muitos comerciantes adotem a prática informalmente). Uma medida provisória vai permitir que o lojista ofereça desconto, afirmou Meirelles.

Os juros médios do cartão de crédito estão entre os mais altos do mercado. A taxa chegou a 459,53% ao ano em novembro, segundo pesquisa da Anefac (Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade) divulgada nesta terça-feira (13).

Pagamento via cartão: repasse mais rápido ao comerciante
O governo também disse que quer melhorar o prazo para o comerciante receber o dinheiro que vem das compras por cartão: pode demorar mais de um mês. Segundo Meirelles, o período no Brasil é mais longo que no restante do mundo.

Ele ainda não tinha a solução para isso e afirmou que o caso está sendo estudado para serem apresentados os detalhes. "Vamos divulgar em cerca de 10 dias qual será o sistema, possivelmente com redução da taxa de juros cobrada ao consumidor", declarou Meirelles.

Outra medida sugerida pelo governo é fazer com que uma mesma máquina aceite qualquer cartão, o que baixa o custo para os comerciantes, segundo Meirelles.

FGTS: redução da multa paga pelas empresas
Um outro ponto anunciado foi a redução de 10% da multa do FGTS paga por empresas quando um funcionário é demitido sem justa causa. Temer disse que isso não afeta os trabalhadores, que continuarão recebendo os 40% da multa.

Hoje as empresas têm de recolher 50% sobre o total depositado por elas para o trabalhador demitido (40% vão para o empregado e 10% para o governo federal). Será a parte do governo que terá o corte. O presidente disse que será uma redução gradual, sem especificar o tempo nem o percentual.

Além disso, Temer afirmou que, quando houver ganhos no FGTS, uma parte do valor (em lucro do fundo) será disponibilizada para o trabalhador usar para pagar dívidas, por exemplo. Hoje em dia não é possível sacar o fundo para pagamento de dívidas. Ele não detalhou como isso funcionaria.

UOL
Publicidade