Congresso Brasileiro de Fruticultura

Publicidade
A Universidade Estadual do Maranhão (Uema) participa da realização do XXIV Congresso Brasileiro de Fruticultura. A abertura oficial, na segunda-feira (17), no Hotel Luzeiros, bairro Ponta do Farol, em São Luís, teve a presença do reitor Gustavo Pereira da Costa que defendeu as potencialidades do Maranhão no setor.

Presentes, também, o secretária de Estado da Agricultura, Pecuária e Pesca, Márcio Honaiser, os presidentes Congresso, Hamilton de Jesus Almeida, e o da Sociedade Brasileira de Fruticultura (SBF), Almir Cordeiro de Carvalho, entre outras autoridades.

Com o tema “Fruticulturas nativas e sustentabilidade”, o congresso prossegue até sexta-feira (21). É promovido pela SBF, em parceria com o Governo do Estado, por meio das Secretarias de Estado de da Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima) e Indústria e Comercio (Seinc), Ministério da Agricultura, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Pecuária e Abastecimento (Embrapa), Ministério da Agricultura e universidades federais públicas.

Um dos objetivos é promover intercâmbio de informações entre agentes envolvidos com fruticultura no Brasil, como pesquisadores, professores, extensionistas, estudantes de graduação e pós-graduação, produtores e técnicos de empresas públicas, privadas e de ONGs ligadas ao setor.

Potencialidades do Maranhão

Para o reitor Gustavo Pereira da Costa, o Maranhão tem grandes potencialidades no campo da fruticultura a serem exploradas. “Sediar um congresso desta magnitude, pela primeira vez, é uma excelente oportunidade de reunir os segmentos institucionais que poderão transformar a fruticultura num vertes de desenvolvimento para o nosso estado”.

O presidente da SBF, Almir Cordeiro, disse que a realização do congresso em São Luís tem entre seus objetivos aprimorar a fruticultura no estado. “Tem o papel de irradiar o que a ciência tem feito para o bem da agricultura e para o bem do ser humano, e isso podemos chamar de fruticultura saúde e fruticultura sustentabilidade”.

De acordo com o presidente do congresso, professor Hamilton Almeida, a ideia é criar um programa de fruticultura no Maranhão, com ênfase nas fruteiras nativas para instalar polos com potencialidades. “Queremos que o Maranhão se torne um polo tipo exportação, criando, com isso, oportunidades para que tenhamos produtores de pequenos, médio e grandes portes no ramo da fruticultura, dentro de uma visão do grande negócio”.

A palestra de abertura “Ecofisiologia de Fruteiras Tropicais e Subtropicais” foi ministrada pelo professor Bruce Schaffer, da Flórida University (EUA). Estão sendo realizadas mesas redondas e conferências com pesquisadores nacionais e internacionais, minicursos, palestras satélite, visitas técnicas e apresentações de trabalhos científicos. Durante o congresso será entregue o Prêmio Jovem Cientista em Fruticultura, ao autor do melhor trabalho de iniciação científica e às melhores teses de doutorado e dissertação de mestrado, na área de fruticultura, realizadas nos últimos cinco anos no Brasil.

Alcindo Barro, Agência de Notícias Maranhão
Publicidade