Agritec leva benefícios a agricultores

Publicidade
O investimento do Governo do Maranhão para levar conhecimento e tecnologias a centenas de agricultores de oito municípios de diversas regiões do estado, por meio da Feira de Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão (Agritec), rende experiências como a de Marly dos Santos Oliveira, agricultora de 52 anos, moradora do povoado Goiabal, em Penalva, a 255 quilômetros de São Luís. Ela e mais 35 agricultores receberão das mãos do governador Flávio Dino, nesta sexta-feira (28), título de terra coletivo para produção agrícola. Mais três títulos coletivos serão entregues pelo Instituto de Colonização de Terras do Maranhão (Iterma).
Feiras da Agricultura Familiar estão deixando legados importantes
Feiras da Agricultura Familiar estão deixando legados importantes. Foto: +GovernoMA 
Diferente de outras feiras agropecuárias, a Agritec é direcionada para que o pequeno e médio agricultor familiar tenha acesso aos mais diversos conhecimentos relacionados à produção agrícola. A Agritec dispõe de espaços tecnológicos com demonstração de pequenas alternativas de cultivo viáveis para o produtor, oficinas, palestras, cursos, comercialização de produtos cultivados por agricultores dos municípios da região, dentre outros atrativos.

A iniciativa integra um conjunto de ações para o setor rural do Estado. A atividade desenvolvida pelo Governo é executada pela Secretaria de Agricultura Familiar (SAF) e tem melhorado a vida de pessoas como Marlydos Santos Oliveira. “Fico muito feliz de saber que conseguimos realizar os nossos sonhos. Nunca tivemos alguém que olhasse por nós, como o governador está olhando. Essa nossa luta por um espaço para cultivarmos já rende mais de 20 anos e agora se concretiza. A associação já estava ficando sem terra para trabalhar. São mais de 50 e poucas famílias que dependem dessa terra e agora terão oportunidades, graças a essa política de governo”, disse a agricultora.

O Governo do Estado tem o compromisso de desenvolver a agricultura familiar a partir de três pilares: a regularização de terras, a assistência técnica e o fomento à produção. Até o momento, as Agritecs já foram realizadas na cidade de São Bento, Açailândia, Caxias, Bacabal, Codó, Grajaú, Zé Doca, e neste fim de semana no município de Viana. A tendência é que mais cidades nas regiões Tocantina, dos Cocais, da Baixada e Vale do Mearim, além das cidades do Plano de Ação ‘Mais IDH’, recebam esses espaços para a troca de experiências e a ampliação de conhecimentos tecnológicos no âmbito da agricultura familiar para benefício do produtor maranhense.

As feiras têm tido um papel fundamental de levar conhecimento aos agricultores familiares. Para o secretário de Estado de Agricultura Familiar, Adelmo Soares, os espaços vêm se tornando uma vitrine tecnológica que prioriza a capacitação dos técnicos em vários níveis, através das transferências de tecnologias da Embrapa e das experiências exitosas dos movimentos sociais que têm uma participação efetiva na troca dessas experiências. “O Maranhão é um estado extremamente rural e é a partir do campo que temos trabalhado para desenvolvermos o nosso estado. Essas feiras se tornam a oportunidade para o agricultor familiar conhecer e ter acesso a tecnologias simples que impulsionarão o desenvolvimento de sua produção e da agricultura local”, disse o secretário Adelmo Soares.

Em Caxias, um dos legados da edição da Agritec no município é o projeto Sisteminha, uma espécie de tecnologia simples, desenvolvida pela Embrapa. A experiência que deu certa no estado vizinho, no Piauí, foi trazida e aprovada no Maranhão pelo governador Flávio Dino. Inicialmente, o projeto Sisteminha é de subsistência, mas com o aperfeiçoamento, com a assistência técnica e a garantia da comercialização é uma grande e importantíssima fonte de renda para as famílias do Maranhão, que tem tido peixe, galinha, hortaliças, frutas e produtos no quintal de casa para consumir e vender o excedente.

Na Agritec de São Bento houve a participação de representantes de quase 30 municípios, que tanto tiveram a oportunidade de aprender novas técnicas quanto compartilhar técnicas conhecidas. De acordo com o secretário Adelmo Soares, a ideia é que um município mostre para o outro o que faz, o que pode melhorar. “Essa troca de experiência é, sem sombra de dúvida, o maior legado. A história da Agritec é um legado de conhecimentos que ficará na região”, frisou.

Em Codó, o marco durante a Agritec foi quando a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima) e a Aged lançaram o ‘Manual de orientação para o registro da agroindústria familiar, pequeno porte e artesanal’, criado para facilitar o entendimento das legislações e informar, de forma simplificada, o que é necessário para a obtenção de registro do Serviço de Inspeção Municipal, Estadual ou Federal.

Baixada Maranhense

O território Campos e Lagos está situado na região da Baixada Maranhense e compreende 12 municípios, onde a cidade de Viana está incluída. A realização de uma Agritec no território demonstra a preocupação do Governo do Estado em reverter o quadro de abandono que a região sofreu ao longo de décadas, principalmente, em relação a agricultura familiar.

Dyego Rodrigues, Agência de Notícias Maranhão
Publicidade

Publicidade