Prevenção da leishmaniose em escolas

Publicidade
Eu aprendi que devemos deixar os ambientes limpos para o mosquito que espalha a doença não se reproduzir. Acho legais esses momentos, porque chegamos e contamos as histórias em casa para ajudar mais pessoas”. Assim, o estudante Glauter Kley, de 10 anos, explica o que é a principal forma de prevenção da leishmaniose: evitar o acúmulo de lixo, descartando de forma adequada, principalmente lixo orgânico.

Ele e outras 150 crianças da Unidade Integrada Poeta Gonçalves Dias (Caic), no bairro Maiobão, do município de Paço do Lumiar, aprenderam na manhã desta segunda-feira (19) sobre as causas, sintomas e tratamentos das Leishmanioses Tegumentar Americana (LTA) e Leishmaniose Visceral (LV), uma zoonose causada por protozoários do gênero Leishmania, veiculada através de vetores flebotomíneos, mais conhecido como ‘mosquito-palha’.

Entre os dias 19 e 23 de setembro, serão alcançados 1.768 alunos, em cinco escolas do município de Paço do Lumiar. Nos dias 26 a 30 de setembro, a conscientização será realizada em quatro escolas do município de São José de Ribamar. Na ocasião, participarão 2.718 crianças, nos bairros J. Câmara, Panaquatira e Jardim Tropical.

Imagens de Julyane Galvão na ação educativa





A ação educativa promovida pelo Programa de Vigilância e Controle da Leishmaniose do Departamento de Controle de Zoonoses da Secretaria de Estado da Saúde (SES), em parceria com o Programa Saúde na Escola (PSE), é uma estratégia focada na prevenção, para diminuir o risco de contração da doença, principalmente em crianças, em quem se concentra a maior incidência de casos.

No Maranhão existem 42 municípios prioritários no combate à doença, incluindo a capital, São Luís. Desses, 31 possuem transmissão intensa e 12, moderada. A estratificação dos municípios prioritários é realizada anualmente.

Segundo Daniel Saraiva, chefe do Departamento de Controle de Zoonoses, a SES tem estruturado capacitações dos profissionais de saúde e incentivado ações como essa em parceria com o PSE.

“Para que se combata a doença é preciso primeiramente conhecê-la, para que ela possa ser prevenida com eficácia. A taxa de letalidade no estado tem prevalência em crianças, por isso, a importância de prestar uma atenção específica para esse público”, considerou Daniel Saraiva.

A coordenadora estadual do PSE, Patrícia Veras, explica que a intenção é também tornar os alunos multiplicadores das informações. “O que eles aprendem em atividade como essa tem um grande alcance. Assim, nós conseguimos mobilizar tanto eles quanto seus familiares. Durante toda essa semana faremos essa intervenção no município de Paço do Lumiar com foco na faixa etária de 0 a 10 anos”, explicou a coordenadora do Programa Saúde na Escola (PSE).

A pequena Larissa Evelyn Trindade da Silva, de 6 anos, acompanhou as palestras expostas em vídeos interativos e brincadeiras, que possibilitaram o entendimento do assunto. “Tenho um cachorro e um gatinho. Aprendi que preciso cuidar bem deles, levar no veterinário, vacinar para ele ficar sempre bem”, contou. Uma norma do Ministério da Saúde determina que animais infectados sejam sacrificados. Mas existem formas de prevenção, especialmente para cães, através da vacina.

O Brasil está entre os cinco países onde residem 90% dos casos de leishmaniose visceral do mundo, atingindo principalmente a população menos favorecida. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), essa é uma das sete endemias mundiais e sua importância se dá pela elevada incidência e ampla distribuição da doença.

Mariana Martins
Publicidade