Estados se rebelam contra Temer

Publicidade
A mídia chapa-branca tem se esforçado para difundir a ideia de que a economia brasileira caminha para superar a sua grave crise. Os urubólogos de plantão, que só davam notícias pessimistas no governo Dilma, de repente viraram otimistas inveterados. A equipe econômica do Judas Michel Temer é tratada como “competente e eficiente”; suas propostas, garantem, vão gerar “confiança no mercado” e “retorno dos investimentos”; e o Brasil, juram de pés juntos, voltará a crescer em breve. O cenário róseo, porém, não resiste aos fatos. Nesta terça-feira (13), governadores de 14 Estados se reuniram em Brasília com Henrique Meirelles, o czar da economia, e ameaçaram decretar “situação de calamidade financeira”.

Segundo reportagem de Wellton Máximo, da Agência Brasil, governantes do Norte, do Nordeste e do Centro-Oeste "ameaçaram decretar situação de calamidade financeira caso o governo federal não conceda a ajuda de R$ 7 bilhões para repor as perdas com os repasses federais. Por cerca de duas horas e meia, eles se reuniram com o ministro Henrique Meirelles e pressionaram pela concessão de um auxílio para compensar a queda de receitas”. Eles pretendem divulgar uma nota conjunta na próxima semana dando um xeque-mate no covil golpista. Ou o Judas Michel Temer cede, ou estes e outros Estados poderão cancelar contratos e suspender o pagamento de servidores.

“Pela proposta apresentada hoje, os governadores pediram a antecipação de R$ 7 bilhões dos recursos da repatriação (pagamento de tributos sobre recursos mantidos no exterior) que entrarão nos cofres federais até o fim de outubro. Originalmente, os estados propunham que a ajuda fosse equivalente à queda total de R$ 14 bilhões nos repasses da União ao Fundo de Participação dos Estados em 2016 em relação ao ano passado. Além dos governadores do Norte e do Nordeste, governadores do Centro-Oeste e do Paraná pediram o pagamento de R$ 1,9 bilhão que o governo federal deve ao fundo que garante a reposição das perdas tributárias da Lei Kandir”.

O encontro desta terça-feira reuniu os governadores do Distrito Federal, Acre, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Mato Grosso, Paraíba, Pernambuco, Paraná, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Roraima, Sergipe e Tocantins. Segundo o governador do Piauí, Wellington Dias, a União está em débito com os governos do Norte e Nordeste, que entraram em acordo para renegociar as suas dívidas. “A economia do meu estado está crescendo. A receita com ICMS está aumentando, o que está caindo são as transferências do Fundo de Participação dos Estados. O dinheiro que falta ameaça a saúde pública, a manutenção das cadeias”.

Bajulado pela mídia golpista, o discurso de austeridade fiscal de Henrique Meirelles não agradou os governadores. A reunião teve momentos de tensão, com duras críticas à falta de sensibilidade do Judas Michel Temer. Segundo Ricardo Coutinho, da Paraíba, o ministro disse que “a União não tem condições de conceder o auxílio aos estados” e que “a equipe econômica precisa conhecer o montante que entrará com a repatriação para ver se conseguirá cumprir a meta de déficit primário – resultado negativo sem considerar os juros da dívida pública – de R$ 170,5 bilhões para 2016”.

O caos nos Estados é grave e pode piorar com a decretação da “situação de calamidade financeira”. E os ex-uróbologos ainda insistem em dizer que o covil golpista garantirá ordem e progresso! Haja chapa-branquismo!

Altamiro Borges
Publicidade