Cacauzinho está sem transporte coletivo

Publicidade
A comunidade que reside no povoado Cacauzinho, situado próximo a Vila Fiquene, está praticamente isolada nestes últimos seis meses devido à ausência do serviço de transporte coletivo de passageiros. A reclamação foi feita nessa terça-feira (12) pelo vereador Eudes Feitosa (PRP).

Segundo ele, a empresa Rio Anil Transportes (Ratrans) completou 50 dias em operação na cidade, porém ainda não conseguiu atender a população do povoado Cacauzinho, submetendo dezenas de jovens e adultos a percorrer mais de oito quilômetros para conseguir ter acesso ao transporte coletivo.
Além disso, ele denunciou que os alunos não estão conseguindo ir para escola por causa da falta de transporte coletivo no povoado, deixando vários jovens sem o direito de estudar nas escolas na sede em Imperatriz.

“Recebi em nossa residência uma comissão de moradores do povoado Cacauzinho que explicou o fato e que solicitaram providências para normalizar o serviço de transporte coletivo de passageiros”, contou ele, que também questionou o endereço do escritório da empresa Ratrans, em Imperatriz.

Eudes Feitosa assinalou que pretende oficializar a reclamação junto à direção da Ratrans para que, em curto espaço de tempo, resolva o problema da falta de transporte coletivo na localidade do Cacauzinho.

Ele assinala que durante os 180 dias a empresa Rio Anil Transportes é a responsável em operar o sistema municipal de transportes em Imperatriz, devendo atender inclusive os moradores da zona rural. “Existem mais de 70 famílias que residem no povoado Cacauzinho, mas que estão sem o direito de ir e vir por causa da ausência de transporte coletivo”, frisou.

O vereador Aurélio Gomes (PT) também reforçou o pedido do colega para que o transporte público atenda adequadamente os moradores do povoado Cacauzinho. “É uma comunidade carente e que necessita do transporte público”, emendou.

Gil Carvalho
Publicidade

Publicidade