Cigarro: apague logo essa ideia

Publicidade
Como para curar qualquer outra doença ou vício, o apoio de profissionais da saúde, familiares e amigos é essencial. E com o tabagismo não é diferente. O hábito de fumar, antes disseminado como ato de prazer, tornou-se questão de saúde pública. Atualmente existem ações e programas tanto na rede pública de saúde como na privada.

Em Venâncio, dezenas de pessoas já passaram por grupos do Sistema Único de Saúde (SUS), a partir do Programa Nacional de Controle do Tabagismo. E em setembro, outros fumantes passarão pelo processo de dividir a vontade de se livrar do vício e ter apoio de profissionais e medicamentos.

Já no Centro de Atendimento Psicossocial Álcool e Drogas (Caps AD), localizado no bairro Cruzeiro, iniciará no dia 15 de setembro uma nova turma, com cerca de 15 integrantes, que terá quatro encontros, onde é desenvolvida terapia cognitivo-comportamental. São quatro sessões no primeiro mês, seguidas de duas sessões quinzenais. Após, os encontros passam a ser mensais até ser fechado um ano de tratamento. Para auxiliar no tratamento, o SUS fornece alguns tipos de medicamentos como adesivos transdérmicos de nicotina, goma de mascar de nicotina e cloridrato de bupropiona, que é um medicamento antidepressivo de acordo com a necessidade de cada paciente.

O trabalho é conduzido por uma equipe formada por enfermeira, psicóloga e médica. Este será o oitavo grupo. O primeiro foi realizado em julho de 2013. Atualmente, já há uma lista de espera com mais de 70 nomes para participar do grupo, mas interessados em ter acesso ao tratamento podem procurar o Caps AD.

Protocolo de Cessação do Tabagismo

O tratamento para acabar com o vício de fumar pode ser buscado nos postos de saúde, espalhados pelo município. A partir destes, os pacientes serão encaminhados para a Secretaria Municipal de Saúde, que encaminha o fumante ao consultório do médico pneumologista André Luiz Rocha Puglia. No local é aplicado o Protocolo de Cessação do Tabagismo. 'Tratamento feito em todo o mundo. Temos acompanhado muitos pacientes que conseguem parar. Até porque, quem procura é porque já está disposto a parar de fumar. Quando ela não quer parar, não há remédio que vai fazer isso por ela', explica Puglia.

O médico ainda acrescenta que 'geralmente quem procura já são pessoas que estão com algum problema respiratório grave ou porque a família quer e incentiva a cessação'.

Ele explica que o tratamento consiste em visitas ao consultório, com frequência de uma vez por semana no primeiro mês, depois as idas passam a ser quinzenais, até completar três meses de tratamento, quando este é encerrado. Atualmente estão em tratamento três pacientes, mas ele conta que desde que o convênio começou há três anos, mais de 30 pessoas já foram tratadas. Puglia ainda acrescenta que só não há mais atendimentos de fumantes devido a falta de disponibilidade de horários, já que há no local atendimento médico e psicológico.

Você sabia?

O tabagismo pode desencadear cerca de cinquenta problemas de saúde, dentre os quais, destacam-se: infarto do miocárdio, enfisema pulmonar, derrame, câncer de pulmão, traqueia, laringe e brônquio; impotência sexual no homem, infertilidade da mulher, hipertensão e diabetes. Estima-se que 90% das pessoas que desenvolvem câncer de pulmão apresentem como fator responsável o fumo, sendo importante destacar que as chances de cura para essa doença são bastante baixas. Em 2015, o câncer foi a terceira maior causa de óbito em Venâncio, com 66 mortes. E o que afeta os pulmões foi o que mais matou.

Vanessa Behling , Folha do Mate
Publicidade