Um mapa para compreender a guerra pelo Petróleo

Publicidade
Michael Mehrdad Izady, um historiador dedicado a cartografia e sensoriamento remoto, de pai curdo e mãe belga, nascido em 1961, em local que não é apresentado na sua biografia e viveu a infância e juventude nos seguintes países, Iraque, Irã, Afeganistão e Coréia do Sul.

Com seus pais, mudou-se para os Estados Unidos, onde tem uma profícua carreira acadêmica totalmente ligada às forças de segurança daquele país, sendo que no seu currículo está claro o seu envolvimento com o exército norte-americano (forças especiais) e a CIA.

Pois, na verdade, o currículo é importante para ter uma ideia das implicações do que será mostrado de sua autoria. Izady produziu um mapa básico que procura sobrepor campos de petróleo e grupos religiosos dominantes na região do Oriente Médio e cercanias.

Como a Arábia Saudita mantinha um preço de petróleo que era razoável aos Estados Unidos e as grandes companhias de petróleo, parece que este trabalho nunca teve maior divulgação, porém no momento que a Arábia Saudita começa a incomodar os setores de Shale Oil & Gas norte americano, este mapa surge do nada como uma espécie de advertência a dinastia Saud.

Pois bem, vamos ao mapa:


O mapa mostra uma interessante característica que até há pouco tempo não chamava atenção ao grande público, as maiores reservas do mundo estão praticamente em regiões em que os Xiitas são maioria. Vejam não se está falando somente no Irã e no Iraque, mas saibam todos que a distribuição religiosa na Arábia Saudita é um verdadeiro mistério, porém é sabido que entre 10% a 15% da população é Xiita e o mais interessante é que os grandes campos de petróleo da Arábia Saudita estão exatamente na região dominada pelos Xiitas. Os Wahhabistas da Arábia Saudita, grupo que originam a maior parte das atuais organizações terroristas, sendo o ramo sunita adotado como religião oficial da Arábia Saudita e da família real, está situado em uma região em que não há petróleo. Isto é importante destacar, pois como este grupo que a maioria dos autores dizem que não passa de 40% da população, detém o poder mas não está na região petrolífera.

Os dados do mapa são verificáveis no momento em que se procura informações pontuais sobre cidades e regiões que confirmam a preponderância religiosa nos pontos investigados.

O mapa é interessante, porém como quem o fez é alguém totalmente vinculado a comunidade de informações norte-americana, participando inclusive de cursos de formação desta sempre é bom ficar com um pé para trás.

Rdmaestri, Jornal GGN
Publicidade