Flávio Dino entrega Prêmio Mochel 2015

Publicidade
O reconhecimento aos que se destacam na luta popular, democrática e socialista e o atual momento de defesa da democracia no Brasil marcaram a entrega da 9ª edição do Prêmio José Augusto Mochel. O evento, realizado pelo PCdoB em parceria com a Fundação Maurício Grabois na noite desta sexta-feira (18) no Rio Poty Hotel, contou com a participação de diversas lideranças políticas e movimentos sociais.
Fátima Oliveira recebe o Mochel 2015. Foto: Vermelho
Este ano, foram condecorados o líder sindical camponês José Raimundo Mendonça (Cabecinha); a médica, escritora e militante comunista, Fátima Oliveira; o ex-deputado federal Domingos Dutra; o secretário geral da Confederação Mundial dos Metalúrgicos, Fernando Lopes; e a militante Arcelina Mochel (in memoriam).

Ao abrir a cerimônia de premiação, o presidente estadual do PCdoB, Márcio Jerry, ressaltou que o Prêmio José Augusto Mochel é sempre um momento muito importante desde 2007, quando, juntamente com o gabinete do então deputado federal Flávio Dino, o partido instituiu a homenagem àqueles que se destacam na luta popular, democrática e socialista do estado do Maranhão e do Brasil.

Direto da Aldeia  publicou sobre prêmio Mochel:
2010 - Flávio Dino diz que 2010 foi um ano de vitórias
2011 - Veja a relação de homenageados com o Mochel
2012 - Premiação do José Augusto Mochel homenageia oito
2013 - Julião, Aldionor e D. Gilberto recebem prêmio do PCdoB

“É aquele momento de celebração da luta, de nós nos olharmos e dizermos o quanto vale a pena seguirmos sendo uma organização política de esquerda, sintonizada e comprometida com as mais profundas aspirações emancipatórias do nosso povo”, enfatizou Jerry, realçando que ter como referência José Augusto Mochel torna a premiação ainda mais forte e simbólica.

Domingos Dutra, um dos homenageados da noite, considerou o prêmio mais do que um reconhecimento pelo que todos fizeram, mas também um incentivo para lutas futuras. “Nós temos o desafio de transformar essa pátria em uma pátria verdadeiramente socialista. Que a justiça seja para todos. Portanto, isso é um incentivo pra gente continuar”, frisou Dutra.

Defesa da democracia

Idealizador do prêmio quando era deputado federal, o agora governador Flávio Dino aproveitou o momento de reconhecimento às lutas pela causa democrática para fazer uma reflexão acerca das práticas políticas e governamentais que devem orientar um governo popular. "Não devemos nos perder na selva da governabilidade, sem olhar para o rumo que temos a seguir. Por isso, faço questão de estar presente em mais essa edição do prêmio Mochel, por ele ser um dos encontros que reúne aqueles que lutam pelas causas justas. Aqui se homenageia o passado, mas, sobretudo nos mostra o caminho correto a seguir," disse.

Na cerimônia, Flávio Dino aproveitou ainda para parabenizar o seu partido, PCdoB, pelo posicionamento nacional de encarar a missão de defender as conquistas democráticas e constitucionais do povo brasileiro, mais recentemente como propositor da ação no Supremo Tribunal Federal que resultou na suspensão do rito de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, que acontecia sob práticas ilegais. Com a ação do PCdoB, as manobras que estavam sendo praticadas ao arrepio da lei foram anuladas pelos ministros do STF, que ainda determinaram regras transparentes para a análise dos fatos pelo Congresso Nacional.

Segundo Dino, que foi juiz federal por 12 anos e professor de Direito Constitucional por 20 anos, além do restabelecimento do ordenamento jurídico na condução do processo, a ação proposta pelo PCdoB se destaca por ter coerência e força política. "Nos momentos de crise existem aqueles que se apequenam e se escondem, e o PCdoB foi mais uma vez o partido que se agigantou e defendeu a legalidade em nosso país, pois não admitimos retrocesso," disse.

Conheça o perfil dos homenageados com o Prêmio José Augusto Mochel 2015:

Arcelina Mochel

Referência na causa da libertação feminina, Arcelina Mochel dirigiu a revista Continental, integrou o movimento de mulheres de esquerda e foi uma das fundadoras do jornal Momento Feminino. Em 1947 se elegeu para a Câmara Municipal do Distrito Federal, onde atuou como líder da bancada comunista. Faleceu no Rio de Janeiro em agosto de 1974.

Domingos Dutra

Ex-deputado estadual, federal e vice-prefeito de São Luís, Domingos Dutra foi um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores, em 1980. Reconhecido combatente da oligarquia que predominou no Maranhão durante cinco décadas, é pré-candidato a prefeito de Paço do Lumiar pelo PCdoB.

Fátima Oliveira

Médica, feminista, escritora e comunista por convicção, Fátima Oliveira é referência na militância social e política. Membro do Conselho Diretor da Comissão de Cidadania e Reprodução e do Conselho da Rede de Saúde das Mulheres Latino-americanas e do Caribe, foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz em 2005 pelo Prêmio Mil Mulheres.

José Raimundo Mendonça (Cabecinha)

Lavrador residente em Zé Doca, Cabecinha foi sócio Fundador do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais, sendo também delegado sindical. Militante do PCdoB desde 1982, teve a vida dedicada a movimentos de trabalhadores como Fetaema, CUT e CTB. Atualmente é gestor da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (AGERP), da Regional de Zé Doca.

Fernando Lopes

Fernando Lopes iniciou suas atividades políticas em 1974 através do Movimento Estudantil e participou do movimento pela fundação do PT. Foi eleito diretor do Sindicato dos Engenheiros do Maranhão de 1986/89. Mudou-se para Salvador, onde militou em sindicatos na luta pelos metalúrgicos. Atualmente é secretário geral da Confederação Mundial dos Metalúrgicos.

Vermelho
Publicidade