PSDB desiste do #Impitimaémeuzovo

Publicidade
Miguel do Rosário

A cúpula do tucanato se reuniu nesta sexta-feira.

E amarelaram diante do impeachment.

É a primeira vitória política provocada pelo encontro na ABI da terça-feira, no qual Lula deixou bem claro que, se a direita quiser guerra, haverá guerra.

Para vocês verem como é importante fazer a luta política e ir para a contra-ofensiva.

Os próprios tucanos não conseguiram esconder que desistiram do impeachment em virtude das declarações de Lula e do MST.

Ficaram com medo de uma deflagração social.

E tem que ter mesmo, porque haveria sim um cenário de guerra civil se os tucanos, em conluio com a mídia, tramassem um golpe branco para usurpar o poder que o povo se recusou a lhes dar.

O líder do MST, João Pedro Stédile, declarou em alto e bom som que todos movimentos sociais marcharão ao lado do campo progressista contra um impeachment da presidenta Dilma.

A esquerda tem inúmeras críticas ao governo federal. Tinha antes da reeleição e tem mais ainda agora.

Mas quer exercer essas críticas num ambiente democrático.

Tem esperança de usar a democracia para convencer o governo sobre a importância de seus projetos.
O PSDB asseverou que não participará das marchas de impeachment agendadas para o dia 15 de março.

Apenas um tucano ou outro mais golpista, como Aloysio Nunes, disse que estará lá.
(Entretanto, me parece óbvio que o partido, junto com a mídia, vai tentar ao máximo insuflá-las, com dinheiro e imprensa).

Falta o governo acordar de seu torpor e reagir. Até porque, a meu ver, o PSDB aguardará ao menos 1 ano e pouco de governo para voltar a pedir o impedimento de Dilma.

Lula, sob os conselhos de Franklin Martins, que sugeriu ao presidente e ao governo que falassem todos os dias, começou a reagir à ofensiva midiática de 2005 e encerrou o governo com recorde histórico de aprovação.

Por que não chamam novamente Franklin Martins?

Lula
Publicidade