Quilombo do MA é destaque da Anistia internacional

Publicidade
Dylan Araujo, Agência Brasil

Em menos de uma semana, a maratona de denúncias de violações de direitos humanos da Anistia Internacional já reúne 5.500 cartas assinadas em todo o Brasil. Desse total, 10% das cartas foram produzidas no Rio de Janeiro. O evento chamado de "Maratona de Cartas Escreva por Direitos" é considerado o maior evento de direitos humanos do mundo. Todos os anos, no mês de dezembro, a Anistia Internacional dá visibilidade a episódios de violações de direitos.

Quilombolas
30 de outubro: quilombolas protestam diante da falta de julgamento para o assassinato do líder quilombola Flaviano
De acordo com a assessora de Ativismo e Mobilização da Anistia Internacional, Jandira Queiroz, a instituição não consegue acompanhar todas as denúncias, mas escolhe casos que vão dar visibilidade a outros abusos similares.

Nesta edição, a Anistia acompanha denúncias da Noruega, Venezuela, Estados Unidos e Índia. No Brasil, foi escolhida a denúncia dos quilombolas da comunidade do Charco, no Maranhão. O grupo pede o fim das ameaças de remoção e a titulação definitiva das terras onde o quilombo está estabelecido desde o século XIX.

Direto da Aldeia Global recomenda leitura:
Anistia Internacional faz campanha por quilombolas do Maranhão

O segundo caso que anistia escolheu para dar visibilidade é o pedido de reparação do Estado de São Paulo ao fotógrafo, Sérgio Silva. O profissional perdeu um olho, após ser atingido por bala de borracha, durante uma manifestação popular, em junho de 2013.

Direto da Aldeia Global publicou sobre o caso do fotógrafo que perdeu um olho:
Assista vídeo de 16min sobre impunidade contra comunicadores

A maratona de denúncias termina no próximo sábado, dia 13 de dezembro.
Publicidade