José Reinaldo: Um convite irrecusável

Publicidade
Nossa Senhora das Cabeças Cortadas
Nossa Senhora das Cabeças Cortadas, charge de Latufe para Vias de Fato
José Reinaldo Tavares, Blog do Ricardo Santos

Temos observado nas últimas semanas um festival de mentiras sendo desfiadas na imprensa por meio de peças publicitárias sobre o governo de Roseana Sarney, tudo lavra de seus marqueteiros.

Essas peças, no afã frenético de querer substituir quatro anos de descalabro administrativo, omissões e grande desperdício de dinheiro público, exibem dados totalmente enganadores e sem consistência.

Porém, como a mentira tem pernas curtas, eis que a Folha de São Paulo do último sábado, dia 29, publicou um estudo sobre a situação da miséria no Brasil por estados, encomendado ao IETS – Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade, subsidiado por informações da PNAD e do IBGE, comparando os dados de 2012 com 2013, portanto, são dados muito recentes.

Agora se lembrem de que a vibrante e mentirosa propaganda da governadora diz que no governo dela dois milhões de pessoas saíram da miséria, um portento digno de alardear. Pena que seja tudo uma mentira deslavada! E olhem que a referência para ter saído da miséria é ganhar 70 reais por mês!

Pois bem, sabem qual é a verdade? O Maranhão foi o segundo estado que mais piorou em números absolutos de pessoas consideradas miseráveis. Em contrapartida, foi o primeiro pior em números relativos à sua população. Ou seja, havia 753 mil pessoas em 2012 nessa faixa e em 2013, número que aumentou para 871 mil pessoas. Em outras palavras: em um ano, 118 mil maranhenses ficaram mais pobres e caíram para as faixas classificadas como de miseráveis. Alagoas e Piauí, nossos parceiros de infortúnio, tiveram atuação digna de nota em relação ao Maranhão. É lamentável contabilizar isso, mas o Piauí, por exemplo, registrou um aumento de apenas 5 mil pessoas na população considerada miserável no estado.

Roseana é uma verdadeira fábrica de produzir pobreza. E ainda diz que foi o melhor governo da vida dela. Parem de mentir!

Em todas as vezes em que a governadora teve condições de fazer as coisas certas, sempre optou em fazer o pior. No caso do gás, como já detalhei em outros artigos, ela entregou a preciosa energia a amigos empresários que o usam unicamente para geração de energia em termoelétricas. Um crime, já que desse uso nada fica aqui.

Eu vinha ajudando a formatar um importantíssimo programa na área da energia que envolvia o uso do gás natural, da energia eólica e da energia solar, com ênfase no uso do gás. Avançamos muito e se consolidou a certeza de que essa modalidade de produção de energia poderá mudar rapidamente o nosso sofrido e pobre estado, a despeito do que diz Roseana Sarney.

Já mostramos, por exemplo, que se o gás for usado para atrair empresas, pode mudar o perfil de desenvolvimento do estado, agregando milhares de empregos, renda e substancial aumento da arrecadação própria de impostos.

Portanto, só pude agradecer o honroso convite que me foi feito por Flávio Dino, para assumir a pasta de Minas e Energia. Dessa forma, já estou me preparando para enfrentar mais um grande desafio em minha vida, pois antes do efetivo aproveitamento do gás maranhense, teremos que consertar toda a lambança feita no setor. O mesmo se dá com o aproveitamento eólico do estado, onde nada que o governo tentou fazer deu certo e até hoje não temos sequer um Mapa eólico do estado.

Para vocês terem uma ideia rasa do que é a questão, no Maranhão não temos nem mesmo um marco regulatório de energia. Por esse motivo, é possível fazer o que der na telha, para o bem ou para o mal. Nos últimos anos, principalmente para o mal. Então, aceitei o convite certo de que vou auxiliar um governador sério, leal e inteiramente dedicado a mudar o Maranhão.

Pois bem, mudando de assunto, volto a mencionar a diferenciada experiência pública de Flávio Dino, talvez o único governador com atuação pregressa muito importante nos três poderes da república. Como deputado, soube apreender as aspirações dessa categoria parlamentar e a saga de cada um para prestar serviços onde foi votado e fazer um bom mandato, tendo um convívio republicano com o governo e com o governador.

Foi com essa experiência que Flávio desarmou espíritos receosos de tratamento diferenciado ou vingativo, mesmo com aqueles políticos que não o apoiaram na eleição. Também já disse em reunião recente com os prefeitos maranhenses que não se interessa pelo passado e nem se eles não o apoiaram na eleição. Pelo contrário, disse que trabalhará com todos os 217 municípios sem distingui-los, declaração que o fez receber estrondosa salva de palmas de todo o auditório. O mesmo aconteceu no almoço em que esteve com os deputados, ocorrido na última semana, em que também foi demoradamente aplaudido.

É claro que o governo é dele e o exercerá com toda a autoridade. Contudo, Flávio dá uma grande contribuição para que se consolide o entendimento de que agora os interesses do Maranhão figurarão acima daqueles que compuseram e comporão a oposição ou dos que o apoiam. Finalmente.

Agora vejam que o poderoso senador José Sarney, mesmo chegando à Presidência da República, nunca fez nada semelhante e, pelo contrário, com a perseguição lançada contra seus adversários, nunca contribuiu para a distensão política do Maranhão. No afã de ter o poder, até governador conseguiu cassar e produziu grande divisão no estado.

Foi necessário que viesse Flávio Dino, com sua esmerada formação pessoal, para pacificar o Maranhão e quem ganhará com isso será a população do nosso estado.

É claro que essa postura não exclui o fato de que o novo governo venha a apurar quaisquer malfeitos que restem evidenciados ou que aflorem no exercício do mandato e com o desenrolar de sua gestão.

Para finalizar, é curioso o comportamento da governadora Roseana Sarney nesses últimos dias do seu mandato. Ela vem se comportando como se quisesse demonstrar que está descontraída e de bem com seu governo. Mas está conseguindo transmitir o oposto, dando a impressão de estar imersa em muita tensão. Se não for coisa de marqueteiro e ela realmente estiver achando que fez um governo minimamente aceitável, isso só mostra mesmo sua grande alienação com o dia a dia da população. O mundo caindo ao seu redor, pobreza crescente, desmoralização do estado que só aparece na mídia por meio de notícias ruins em todos os setores, crimes e assassinatos sem controle, Pedrinhas… Enquanto isso, a governadora canta e toca violão.

Meu Deus, o que está acontecendo?

Nota do editor da Aldeia: Deputado federal eleito pelo PSB, José Reinaldo Tavares assume a partir de 1º de janeiro de 2014 a secretaria estadual das Minas e Energia. Governou o Maranhão entre 2003 e 2006.
Publicidade