Idosos agora estão na sala de aula em SLZ

Publicidade
Carolina Nahuz

São Luís, MA. A Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Educação, tem se empenhado em firmar parcerias para a execução de programas que garantam a alfabetização adequada às necessidades do público da terceira idade. O Programa Educar e Incluir e o Programa Brasil Alfabetizado (PBA) - em parceria com o governo federal -, e a atenção especial nas classes de Educação de Jovens e Adultos (EJA), são exemplos de ações da Prefeitura para garantir o acesso à educação também à população idosa de São Luís.

O secretário municipal de Educação, Geraldo Castro Sobrinho, reforça que a promoção do ensino voltado à terceira idade é um direcionamento de gestão repassado pelo prefeito Edivaldo. “Destaco o empenho do prefeito Edivaldo e a parceria das instituições que nos auxiliam na execução desses projetos e no cuidado para com as pessoas idosas, bem como a dedicação dos professores alfabetizadores, que desenvolvem seu trabalho com disposição e compromisso”, afirma.

Programa Educar
Programas Educar e Incluir transformam a realidade de pessoas em situação de risco e exploração
As aulas de alfabetização do Programa Educar e Incluir, braço do PBA desenvolvido por meio de uma articulação com a Sociedade São Vicente de Paula (SSVP), acontecem à tarde, para melhor se adequar ao horário dos alunos. Conceição de Maria Souza, coordenadora do programa, conhecida como Paixão pela comunidade escolar, explica que o objetivo do programa é valorizar e transformar a realidade de pessoas sujeitas à situação de risco e exploração.

“Nem sempre é possível trabalhar a alfabetização de idosos pelos meios tradicionais, pois ocasionalmente suas necessidades vão além do que os métodos tradicionais de ensino oferecem. Por isso, aqui temos formação adequada e material pedagógico compatível com a realidade de nossos alunos”, explica Paixão.

Atualmente, 50 idosos são atendidos pelo projeto Educar e Incluir. Eles participam, ainda, das atividades beneficentes promovidas pela SSVP e recebem, durante as aulas, merenda escolar fornecida pela Prefeitura de São Luís. Nove professores lecionam nas turmas do projeto. As aulas acontecem todos os dias, de segunda a sexta-feira, das 14h às 17h, e ainda há atividades extras aos sábados, duas vezes por mês. O grupo tem aulas de Língua Portuguesa, Educação Física, Filosofia, Geografia, Ciências, História, Inglês, Artes, Matemática e Ensino Religioso.

Maria José Rodrigues dos Santos, 65 anos, é uma das pessoas cuja vida foi transformada pelo programa. Foi durante as aulas do projeto que ela aprendeu a ler e escrever. A disciplina que mais gosta é Matemática. “Antes, eu ia comprar as coisas em farmácias ou supermercados e as pessoas passavam o troco errado e me enganavam. Hoje, já faço logo as contas de cabeça e não tem como elas me enrolarem”, relata a idosa. Ela acrescentou que o estudo funciona como uma terapia. “Aqui, a gente se sente bem, aprende coisas novas. Saio daqui mais leve, pois as pessoas gostam de mim e fazem eu me sentir melhor”, conta.

A professora alfabetizadora Conceição Paixão confirma o relato da idosa. Conseguir ler as receitas médicas, bulas de remédios, mensagens de celular e a Bíblia e poder pegar ônibus sozinho, sem a ajuda de terceiros, são os principais avanços comemorados pelos recém alfabetizados. “Hoje, contam que se sentem mais valorizados, mais humanos, e ouvir isso é gratificante. Eu não era uma pessoa de parar para ouvir, hoje sou muito mais paciente e tranquila. É um trabalho gratificante, que me preenche e satisfaz”, garante.

Brasil Alfabetizado

O Programa Educar e Incluir é um braço do Programa Brasil Alfabetizado (PBA), que já contemplou 2500 pessoas desde o início da gestão do prefeito Edivaldo – mais da metade composta por idosos. A Prefeitura de São Luís garante, ainda, a continuidade dos estudos para os egressos no programa, viabilizando o seu acesso às classes da Educação de Jovens e Adultos (EJA).

O PBA tem como principal objetivo a superação do analfabetismo no Brasil, universalizando o ensino fundamental de jovens a partir de 15 anos, adultos e idosos e a progressiva continuidade dos estudos em níveis mais elevados, promovendo o acesso à educação como direito de todos, em qualquer momento da vida, por meio da responsabilidade solidária entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios.
Publicidade

Publicidade