1 em cada 5 jovens estão na geração Nem Nem

Publicidade
R7

A “geração nem-nem”, representada por jovens de 15 a 29 anos que não trabalha nem estuda, chegou à marca de 20,3% da população nessa faixa etária em 2013, segundo a Síntese de Indicadores Sociais 2014, divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quarta-feira (17).

De acordo com o estudo, a maioria dos jovens dessa faixa etária só trabalha (44%). Depois, os brasileiros que têm idade nesse intervalo e só estudam são 22,7%. Por fim, 13% desse recorte da população só estuda. Os jovens de 15 a 29 anos de idade são um quarto da população brasileira e estão em metade das casas das famílias brasileiras.
Considerando apenas a “geração nem-nem”, Nordeste e Sudeste lideram o ranking de pessoas que não estudam nem trabalham nessa faixa etária.

Entre os jovens nordestinos de 15 a 29 anos, 35,2% não trabalham nem estudam. Entre os jovens do Sudeste, 37,9% não trabalham nem estudam. A “geração nem-nem” é minoria no Norte (10,6%), Sul (9,6%) e Centro-Oeste (6,7%).

O estudo tem como bases de informações a PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) 2013, o Censo Demográfico 2010, a Projeção da População do Brasil por sexo e idade 2013, dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), do Ministério da Educação, e Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde.

O estudo traz informações sobre demografia, famílias, educação, trabalho, rendimento e domicílios, apresentando novas abordagens, como a análise das diferenças por gênero, cor e raça e idade.

Sexo, cor e estudo

As mulheres são maioria na “geração-nem-nem”, com 68,8% do total. Os homens, por sua vez, são 31,2% desse total.

Por raça, os pretos e pardos tinham maior participação (62,9%), de acordo com o IBGE. Brancos que não estudam nem trabalham, com idade entre 15 e 29 anos, são 36,3%.

Quanto à escolaridade, 30,7% dos jovens que não estudam nem trabalham têm nível de instrução até ensino fundamental incompleto ou equivalente. Outros 22,8% possuem fundamental completo ou até o ensino médio incompleto. A maioria, 46,6%, conta com médio completo ou nível mais elevado.

O instituto ressalta que “é interessante notar que os jovens que não trabalhavam nem estudavam apresentaram 8,6 anos de estudo, em média, sendo que para o grupo de jovens que somente trabalhava este valor atingiu 9,8 anos e para aqueles que trabalhavam e estudavam foi de 10,4 anos”.

O IBGE destaca ainda que “para os jovens que não trabalhavam nem estudavam, 30,7% não tinham o ensino fundamental completo, mas cerca de 46,6% já tinham ensino médio completo ou nível mais elevado”.

Renda

Quanto maior a renda familiar por pessoa, maior a chance de o jovem de 15 a 29 anos estudar ou trabalhar. O estudo indica que 44,8%% dos jovens que não estudam nem trabalham têm renda mensal por pessoa de até um mínimo (R$ 362) – a maioria.

Outros 29,3% dos jovens que não trabalham nem estudam têm renda familiar mensal por pessoa de meio mínimo (R$ 362) a um salário (R$ 724). Outros 12% da “geração nem-nem” têm renda familiar por pessoa de um a dois mínimos — R$ 724 a R$ 1.448. Por fim, 5,1% dos jovens “nem-nem” têm renda mensal familiar por pessoa de mais de dois mínimos (R$ 1.448).
Publicidade

Publicidade