São Luís é destaque no controle das DSTs/AIDS

Publicidade
Carolina Nahuz

São Luís, MA. A política de controle das doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) executada pela Prefeitura de São Luís foi reconhecida como referência no país pelo Ministério da Saúde (MS), em reunião realizada nesta sexta-feira (7), na sede da Secretaria Municipal de Saúde (Semus). A redução do número de casos diagnosticados de AIDS e as medidas preventivas contribuíram com a avaliação positiva em nível nacional.

Semus
Reunião com representante do Ministério da Saúde destacou o controle às DST’s em SLZ
O representante do MS, Manoel Carlos Alves Braga, classificou os resultados obtidos pela gestão pública municipal de saúde como excelentes e fez questão de destacar as ações da Semus na área DST/AIDS. “É de impressionar o que foi feito aqui na assistência a essas doenças em São Luís. Nos últimos seis meses, por exemplo, os resultados são expressivos. É importante presenciar boas ações em cidades brasileiras, como está ocorrendo aqui em São Luís”, disse.

Durante a reunião, o superintendente de Vigilância da Semus, Arnaldo Muniz Garcia, apresentou dados que confirmam a diminuição do número de casos de AIDS na cidade. Segundo ele, enquanto em 2013, foram registrados 394 casos da doença, este ano foram diagnosticados 249 casos, uma redução de 36,8%.

A secretária adjunta da Semus, Sílvia Viana, destacou a reestruturação que será realizada nos espaços de atendimento. As reformas dos Centros de Testagem e Acolhimento do Lira e do Anil devem começar no início do ano que vem. “Em nome da secretária Helena Duailibe, quero destacar o trabalho dos gestores da área e dizer que, sem o apoio do prefeito Edivaldo, do Ministério da Saúde e dos gestores da pasta, jamais chegaríamos a esse destaque nacional”, afirmou Sílvia Viana.

O coordenador do programa DST/AIDS da Semus, Wendell Alencar, ressaltou a aplicação continuada da equipe na execução do trabalho. “Fizemos aproximação dos gestores e estamos alcançando resultados expressivos. A meta é continuar com essa política e incrementar a rede de assistência na cidade”, destacou.
Publicidade