Encontro discute plano para Tambor de Crioula do MA

Publicidade
Tambor de Crioula
Maranhão tem mais de uma centena de grupos de Tambor de Crioula
Tambor de Crioula
Semana do Tambor de Crioula é uma iniciativa do Iphan-MA

Olívia Vidigal

São Luís, MA. Na próxima segunda-feira, 17, integrantes dos mais de cem grupos de Tambor de Crioula do Maranhão reúnem-se juntamente com gestores públicos das esferas federal, estadual e municipal, para um amplo debate sobre a prática do Tambor de Crioula no Maranhão e sua interface com as políticas públicas no Estado.

Trata-se da Semana do Tambor de Crioula, uma iniciativa do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Maranhão (Iphan-MA), em parceria com o Comitê Gestor da Salvaguarda do Tambor de Crioula e a União dos Tambores de Crioula do Maranhão (Unita), que também celebra o Dia Nacional da Consciência Negra, comemorado dia 20. O encontro se estenderá até o dia 18 (terça-feira) e acontecerá no Teatro da Cidade, das 14 às 18 horas.

O objetivo do evento é propor discussões com os praticantes do Tambor de Crioula acerca da política pública federal para a salvaguarda desse bem cultural, para que ao final do mesmo, o Comitê Gestor de Salvaguarda disponha de subsídios para a ampliação do Plano de Salvaguarda e elaboração de estratégias de atuação para os próximos três anos, tendo em vista a revalidação do título de Patrimônio Cultural do Brasil, em 2017.

Segundo Izaurina Nunes, pesquisadora do Iphan – MA, “é necessário provocar essa discussão entre os detentores e avaliar os avanços e resultados que garantam a sustentabilidade do bem. Temos que fomentar a prática cultural do Tambor de Crioula, fortalecendo o sentimento de pertencimento cultural de seus praticantes, para assim garantir a valorização e transmissão de conhecimentos”, destacou.

A programação do evento contará mesas temáticas estabelecidas por eixos de discussão. Na pauta está a avaliação dos resultados alcançados pelas ações de salvaguarda já desenvolvidas; as alternativas para a sustentabilidade dos grupos em São Luís; ações direcionadas ao Tambor de Crioula praticados nos municípios do interior e a relação do Tambor de Crioula com o mercado de bens culturais, dentre outros temas.

Plano de Salvaguarda

Para Neto de Azile, coordenador geral do Comitê Gestor da Salvaguarda, o Plano de Salvaguarda do Tambor de Crioula avançou bastante com as ações realizadas em parceria com o poder público. Mas, apesar de todas as dificuldades do processo, é preciso avançar mais. “No ano passado, durante a Teia da Diversidade em Natal, a Diretora do Patrimônio Imaterial - DPI do Iphan, Célia Corsino, em uma mesa sobre patrimônio declarou que o processo de Salvaguarda do Tambor de Crioula do Maranhão é um processo exitoso que deve servir de modelo de gestão para outros bens registrados como patrimônio imaterial”, lembrou.

Confira a programação:

17 de novembro (segunda-feira)
14h – Recepção dos participantes
14h30 – Abertura
14h50 – Mesa 01: Tambor de Crioula para quem: a prática do Tambor de Crioula e a indústria do Turismo em São Luís
16h10 – Coffe break
16h30 – Mesa 02: Tambor de Crioula: devoção e obrigação
18h – Encerramento

18 de novembro (terça-feira)
14h - Recepção dos participantes/ Abertura
14h30 – Mesa 01: O projeto de Salvaguarda do Tambor de Crioula: avanços e resultados
16h – Coffe break
16h20 – Mesa 02: Políticas públicas para o Tambor de Crioula no Maranhão
18h – Encerramento
Publicidade

Publicidade