Aziz Júnior: ousamos dizer, agora a história é outra

Publicidade
Completada a equipe do Governador eleito Flávio Dino, há que se dizer da aceitação da sociedade política com os nomes escolhidos, com poucos registros de restrição. Creio que a minha geração deve se sentir contemplada com as escolhas. Pessoalmente, me alegra ademais o fato de companheiros do meu Partido – o PDT – terem sido guindados a cargos de alto relevo na administração que se inicia em janeiro de 2015.

A vitória eleitoral do Flávio Dino pode ser um marco significativo de mudança de paradigma sem precedentes na historiografia política contemporânea do nosso Estado, marco que não foi possível de se consolidar com a primeira vitória das oposições maranhenses em 2007 liderada pelo Dr. Jackson Lago, em razão da deposição precoce, iníqua e arbitrária do seu governo pela combinação harmoniosa das forças reacionárias do Lula/Sarney com o Judiciário brasileiro. Lá como aqui imperavam o nepotismo, o apadrinhamento, o clientelismo, a manipulação dos Poderes Constituídos, a miséria democrática, enfim.

Ao tempo em que firmamos posição de absoluta solidariedade aos novos dirigentes estaduais, que têm missão tão desafiadora pela frente, haveremos de enriquecer a necessária reflexão no limiar deste novo Governo, registrando com serenidade opiniões em favor do diálogo lúcido e cooperativo, de resto ausente por décadas de jugo autoritário que semeou o medo e calou as vozes de muitos. O momento é propício para desatarmos os nós que sufocaram essas vozes de cujo concurso a sociedade foi privada. Ousamos dizer que agora a história é outra e que devemos fazer a nossa parte sem medo do patrulhamento próprio de agremiações outrora de esquerda e que perderam a visibilidade na distinção entre elas e a direita, pelo comum de suas práticas.
Publicidade