Sarney decreta AI-5 no Maranhão…

Publicidade
Flávio Dino
Ricardo Santos

Coligação de Flávio Dino diz que a oligarquia Sarney faz uso de escutas telefônicas e outros métodos que ferem a liberdade do cidadão.denuncia

Em tempo de eleição vale tudo para não perder. O grupo Sarney permanece no poder por 5 décadas usando todo tipo de coisas. Fica esperta oposição.

Uma ação da de agentes da polícia civil causou muita estranheza ontem no meio político, quando o irmão do candidato ao governo do maranhão, Flávio Dino (PCdoB) foi abordado numa parada atípica da Polícia Militar no bairro Estiva, na saída de São Luís.

Nos bastidores, comenta-se que “forças ocultas” ligadas ao clã Sarney, que agem nos porões sombrios dos serviços de investigações estariam agindo sob ordens superiores a fim de fabricarem provas contra Flávio Dino.

A senha teria sido uma declaração do candidato da oligarquia, que durante um debate em sua emissora de TV disse que “ia mostrar as sujeiras de seu opositor”. Ora, depois de fabricarem a morte de Reis Pacheco, são capazes de plantar provas de “compras de votos”…

Após coletiva de imprensa, o PCdoB, partido do candidato a governador pelo Maranhão, Flávio Dino, enviou ao blog uma nota sobre denuncias do Governo do Estado, com ações para tentar coagir Coligação “Todos pelo Maranhão”.

O teor da nota, sengundo o presidente do PCdoB, Marcio Jerry, afronta os princípios de liberdade estabelecidos pela Constituição.

A notícia do golpe espalhou-se rapidamente pelas redes sociais.

Abaixo, nota oficial do PCdoB:

A coligação “Todos pelo Maranhão” torna públicos fatos que levantam graves suspeitas sobre a tentativa de COAÇÃO, ABUSO DE AUTORIDADE e MANIPULAÇÃO do processo eleitoral.

Fatos ocorridos nesta semana trazem consigo uma grande suspeita de que casos ainda mais graves, como o escandaloso caso “Reis Pacheco”, ocorrido em 1994, podem surgir numa tentativa desesperada de tentar corromper o processo eleitoral, a exemplo do que ocorreu em outros pleitos comandados pelo mesmo grupo que teme perder o poder no estado agora em 2014.

Dos Fatos

Enquanto seguia em seu carro rumo à cidade de Imperatriz, o senhor Saulo Dino, irmão do candidato a Governador Flávio Dino, foi abordado em uma parada atípica da Polícia Militar no bairro Estiva, na saída de São Luís.

Saulo Dino, que vinha sendo seguido desde a saída do hotel em que estava hospedado, foi o único cidadão parado pela estranha blitz montada por volta das 4h40 da manhã.

Mesmo de posse de todos os documentos necessários para a condução, a revista no carro passou de uma simples vistoria para uma busca minuciosa, atípica para os procedimentos comuns de abordagem, que durou mais de uma hora;

Todos os documentos e caixas que estavam no veículo foram desmontados e descartados pelos agentes da operação. Tratava-se de bandeiras, panfletos e materiais de campanha do candidato Flávio Dino;

Toda a operação foi realizada mediante perseguição com carro descaracterizado, filmagem por indivíduos não uniformizados, com tempo de abordagem e revista fora dos padrões usuais;

É de se estranhar que apenas o senhor Saulo Dino tenha sido parado e revistado pela tal Blitz, montada em horário inusual. O carro não caracterizado que seguiu o senhor Saulo Dino seria do serviço reservado da Polícia Militar, bem como seu condutor, segundo testemunhas que passaram pelo local no instante da operação.

Diante dos fatos, a coligação Todos pelo Maranhão se pronuncia:

  1. Em defesa da atuação republicana e democrática das Polícias, em defesa do Estado e do Cidadão, sem servir de instrumento a grupos políticos. Neste sentido, temos plena convicção de que a corporação militar não admite atitudes como a acima relatada e nela confiamos;
  2. Demonstra preocupação com as reiteradas práticas de ilegalidade cometidas pela coligação “Pra frente, Maranhão”, apoiada pela Governadora Roseana Sarney, que em eleições passadas deu provas de serem capazes de tudo pela manutenção do poder;
  3. Requer da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Maranhão as imagens da abordagem, bem como a identificação dos agentes que a realizaram. A Secretaria deve esclarecimentos à sociedade maranhense sobre os motivos que ensejaram a abordagem atípica;
  4. Pede esclarecimentos dos órgãos competentes sobre o monitoramento de familiares do senhor Flávio Dino, de membros da direção de sua campanha e sobre os motivos da operação direcionada ao irmão do candidato;
  5. Informamos ainda que oficiaremos ao Comando Geral da Polícia Militar, à Secretaria de Segurança Pública, à Polícia Federal, Ministério Público Eleitoral, e através da direção nacional do PCdoB, ao Ministério da Justiça, relatando os lamentáveis fatos;


Márcio Jerry Saraiva Barroso
Representante Legal da Coligação Todos pelo Maranhão
Publicidade