Idiotas (Eles nasceram na Grécia e se espalharam)

Publicidade
Edson Vidigal

O cara que só quer saber de si e do que é seu, labutando para ter mais e sempre mais, assim como quem enriquece sem ligar muito para o sentido da vida, até porque seu negócio é vender caixão, pode ser classificado como idiota?

Quem,um dia, não será defunto? Nesse quesito me vem sempre à mente aquele verso do poema de Pessoa – “ele morrerá, eu morrerei. / Ele deixará tabuletas, eu deixarei versos”.

O Idiota
Clique na Imagem e leia O Idiota com
a tradução de José Geraldo Vieira
O cara que lucra sem fazer força porque o seu negócio é vender caixão de defunto pode até não ser um idiota no sentido etimológico da palavra.

Se ele se interessa e compartilha com os outros as preocupações decorrentes da boa ou da má ou da antiga ou da nova política, pode até não ser um idiota.

Isto porque imagino que possivelmente não tenhas ainda essa informação – a palavra idiota é outra invenção dos antigos gregos. Naquele tempo, dizia-se “idiótis”. Nada a ver com o Mussum, aquele moreno dos “Trapalhões”, que depois de morto há anos volta agora ao sucesso entre a “rapaziadis”.

Os gregos de antigamente taxavam de idiotas os que não queriam saber de politica, os que não se incomodavam com as coisas do governo. Não há registros de que a politica na Grécia antiga fosse meio de vida dos que não conseguiam sobreviver se ocupando com algum trabalho digno.

Ao nascer, Drummond ouviu de um anjo torto – vai Carlos, ser gauche na vida. Não sei se ele foi, mas o certo é que todos nós até hoje nos damos bem com o legado poético dele.

Na contracapa do seu ultimo livro – “Não é a Mamãe”, um neto de Sobral Pinto, o Guilherme Fiúza, escreve sobre uma pessoa, aliás, a persona que lhe inspirou e ainda muito lhe inspira. A qual “foi ser militante na vida – o que, diz ele, é ótima receita para os que não se dão muito bem com o trabalho”.

A personagem do livro do Guilherme não teria sido uma idiota, eis que o anjo que a assistiu no nascedouro, diferente do anjo do poeta, ao que se depreende, não era um anjo torto. A impecável irrelevância da moça até lhe rendeu bons prêmios.

Alguém falou, acho que foi o Benjamim, mas qual deles? O Benjamim Franklin, grande politico e também inventor do para-raios?

O Walter Benjamim, o filosofo judeu que ao fugir da perseguição nazista e não sabendo o que fazer com os seus livros caiu em depressão e morreu?

O Herman Benjamim, um brilhante jurista que eu o imaginava de ascendência alemã até saber que ele é de Catolé do Rocha, na Paraíba?

(Outras importantes figuras, nascidas na Paraíba, já saíram da pia batismal com nomes internacionais - Chateaubriand que o doutor Tancredo, a pedido de Getúlio, trouxe para ser Senador pelo Maranhão e também o Drault Ernanne.

Em sua autobiografia, o Drault conta que, nascido numa família pobre, muito pobre, seu pai deu a cada um dos onze filhos os nomes mais estrangeirados porque, assim, achava ele, se dariam bem na vida.

O Drault, formado em medicina, foi ser empresário e quando já estava muito rico foi ser politico.

Essa moça que o Silvio Santos contratou para ser âncora do telejornal do SBT, Rachel Sheherazade, é da Paraíba, sabia? É uma alusão às “Mil e uma Noites”, a coletânea de contos que sua avó adorava).

Afinal, qual o Benjamin que falou – “o maior castigo aos que não querem nem ouvir falar em política é que eles são governados por eles” ? Poderia ter sido o Herman. Mas tenho certeza que nessa também ele é inocente.

Nota do editor da Aldeia: Edson Vidigal é ex-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Escreve às quintas para Direto da Aldeia Global. Excepcionalmente publicamos nesta sexta, 12. Sempre em parênteses um outro título sugerido pela redação.
Publicidade