Razões para apoiar Luiz Pedro (65400) a Deputado Estadual

Publicidade
Manira Santos (C) e Maria Ethel (E) apoiam Luiz Pedro para a Assembleia Legislativa
Manira Aboud Santos

No início do ano em curso, estando na casa de Abdelaziz (Aziz, meu irmão) muito amigo e companheiro de Luiz Pedro nas lides políticas, especialmente naquelas relativas às candidaturas e governos do inesquecível Dr. Jackson Lago, o Aziz perguntou-me se apoiaria a candidatura de Luiz Pedro para Deputado Estadual. Disse-lhe, naquele momento, que era “um caso a pensar”. Conhecia pouco a biografia e o caráter do atual candidato a Deputado Estadual Luiz Pedro. Dai a algum tempo, chego novamente na casa de Aziz e encontro impressa a história política do atual candidato narrada de próprio punho, desde o início da sua participação política, aos 14 anos de idade, no Colégio Marista de Fortaleza, onde se integrou ao grêmio estudantil e ao movimento secundarista, coordenado pelo Centro dos Estudantes Secundaristas do Ceará - Cesc. Foi nesse período que Luiz Pedro filiou-se ao Partido Comunista do Brasil, declarado ilegal pela Ditadura Militar, sobrevivendo na clandestinidade.

Aldeia Global publicou artigos do candidato:
Luiz Pedro: Mobilidade urbana e bicicleta
Luiz Pedro: Jackson vive

As atividades de Luiz Pedro em Fortaleza, incluindo-se aí a edição de um jornal de bairro, instigaram o aparelho repressivo da Ditadura, resultando na invasão da sua casa em busca de “documentos subversivos”. Luiz, que havia sido expulso do Liceu do Ceará, em1970, e diante da ameaça de prisão, tortura e morte que foram a marca da Ditadura Militar, transferiu-se para São Luís , onde reside desde junho de 1971. Deixo de alongar-me a respeito da história política do candidato Luiz Pedro (que está disponível para quem desejar conhecê-la) porque o meu objetivo neste momento é deixar claro as razões pelas quais estou integrada a sua campanha.

Blog do Ricardo Santos (Jornal Pequeno) publicou:
Luiz Pedro: Retrocesso na assistência social

Aproximei-me de Luiz, nos três últimos meses deste ano, por ocasião das preliminares de sua campanha, quando reunimos no sitio de Abdelaziz Junior, lideranças e amizades, muitas das quais Luiz Pedro cultiva desde que veio morar nesta cidade. Desde aquele dia (24/05) pude observar atitudes que revelam os traços de sua personalidade. Percebo, então, a coerência com que na prática Luiz manifesta o seu arcabouço teórico próprio de um militante e dirigente que sempre se colocou no interior do espectro político, no campo das esquerdas. A luta por justiça social foi revelada desde a sua atuação em favor dos trabalhadores, especialmente os do campo, momento em que os defendeu contra a grilagem e a pistolagem, que fizeram dezenas de vítimas no Maranhão. A essa época, Luiz Pedro já se encontrava em seu primeiro mandato de Deputado Estadual, cargo a que se candidatou por indicação do seu partido - o PCdoB, que reconheceu, entre outros méritos, a sua atuação como jornalista, no combate à violência ditatorial.

Desde que a campanha eleitoral fora oficialmente iniciada venho acompanhando Luiz em reuniões marcadas por mim, em casa de amigos. Noto a diferença entre o seu discurso e o daqueles políticos tradicionais que aparecem para a população durante a campanha com promessas que via de regra não são cumpridas. Luiz respeita o eleitor e cidadão maranhense e como tal, a exemplo do que aconteceu na última quinta-feira, dia 21/08, no Quebra Pote, comprometeu-se apenas a recorrer ao poder municipal para tentar solucionar o problema das vias de acesso àquele local, tendo voltado ali acompanhado de um engenheiro da Prefeitura. A população mostrou um total descrédito nos políticos, devido ao oportunismo daqueles que somente mostram a cara em períodos eleitorais.

Contribuiu para que eu adentrasse cada vez mais na Campanha de Luiz Pedro o cuidado do candidato ao estabelecer alianças com candidatos a Deputado Federal. Até o presente momento, não constato nada que desabone a conduta política destes, notando-se que são figuras socialmente bem referenciadas.

Sempre expresso que não participo de Campanhas quando o candidato não elaborou e tornou do conhecimento público a sua proposta de trabalho. A proposta de Luiz encontra-se em circulação há um mês, pelo menos, denotando o seu compromisso com a população do Estado. Destaco como educadora o item referido ao combate ao analfabetismo.

Como é sabido, o índice de analfabetos do Maranhão é da ordem de 19,31% e, como tal, o candidato está atento para a relação entre cultura letrada e desenvolvimento sócio–econômico.

Nota do editor da Aldeia: Manira Aboud Santos é pedagoga, professora da Universidade Federal do Maranhão com título de doutorado pela Universidade de São Paulo.
Publicidade