Marina defende fontes renováveis durante Fenasucro

Publicidade
Blog da Marina

Marina Silva, candidata à Presidência da República pela Coligação Unidos pelo Brasil, reafirmou nesta quinta-feira (28) o compromisso do futuro governo com as energias renováveis durante visita à Fenasucro (Feira Nacional de Tecnologia Sucroenergética), em Sertãozinho, interior de São Paulo.

Marina Silva
Falta estratégia de longo prazo para adoção de energia renovável
Marina ressaltou que estava ali para falar de um projeto de Brasil que busca soluções que não abandonem as conquistas já alcançadas, mas que representem avanços em muitos setores. Um deles é o energético, onde ela acredita que falta estratégia de longo prazo.

“Temos aqui, em Sertãozinho, um grande potencial de geração de energia de bagaço e da palha de cana que podem produzir energia limpa e de que já dispomos, graças aos investimentos que foram feitos pela indústria aqui instalada, a um custo muito mais barato em termos de eficiência do que as termoelétricas”, disse ela, aplaudida por uma plateia de produtores rurais e empresários. “Se ainda não temos isso é por pura falta de visão estratégica de um Brasil sustentável”.

Marina e Beto Albuquerque, candidato a vice-presidente que a acompanhou durante a visita, defenderam que o setor do agronegócio ganhe relevância e não se limite a ficar abrigado sob o guarda-chuva de um ministério que tem sido moeda de troca política. Apontado como estratégico pela relevância do setor na economia brasileira, a candidata e seu vice defendem um agronegócio que tenha seu olhar voltado à sustentabilidade. “É preciso entender que os padrões mundiais para o segmento mudaram e requerem um padrão de sustentabilidade”, enfatizou Beto. “É por isso que a indústria de Sertãozinho, que produz eficiência para esse setor, merece nossa atenção”, completou.

A presidenciável ganhou aplausos em sua visita à feira, com direito até mesmo à moda de viola, oferecida pelo vendedor e violeiro Renato Martins. “Escolhi a música ‘Meu País’, porque fala das dificuldades que vivemos apesar de toda a diversidade da nossa rica natureza”, explicou Martins. Queixas com a atual situação da região, que vem assistindo à retração dos negócios nos últimos anos, com fechamento de postos de emprego e encerramento de atividades de mais de 40 usinas, foram queixas constantes na Fenasucro e motivo de três cartas encaminhadas aos candidatos da Coligação Unidos pelo Brasil com sugestão de medidas.
Publicidade

Publicidade